Revista INFAD de Psicología:  ISSN: 0214-987
2014 (IJODAEP) Nº2, Vol. 1, pp. 97 doi:http://dx.doi.org/10.17060/ijodaep/2014.n2.v1.011

 

 

 

Revista INFAD 2014

VELHICES E TERRITÓRIOS: UMA REFLEXÃO SOBRE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS A PARTIR DO TERRITÓRIO IDOSOS A PARTIR DO TERRITÓRIO
OLD AGE AND TERRITORIES: A REFLECTION ON THE HEALTH AND QUALITY OF LIFE OF THE AGED BASED ON THE TERRITORY

Marcia Regina Medeiros Veiga
Doutoranda em Estudos Contemporâneos
Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX, Instituto de Investigação Interdisciplinar, Universidade de Coimbra – CEIS20/iii/UC
marciarmveiga@gmail.com – (351) 919 422 704

António Manuel Rochette Cordeiro
Departamento de Geografia, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra
Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX – CEIS20
rochettecordeiro@fl.uc.pt

Sónia Cristina Mairos Ferreira
Faculdade de Psicologia e Ciência da Educação, Universidade de Coimbra – FPCE/UC
smairosferreira@fpce.uc.pt

Fecha de recepción: 14/10/2014
Fecha de aceptación: 23/10/2014
Fecha de publicación: 05/11/2014

Este artigo tem por objetivo refletir sobre a saúde e a qualidade de vida na velhice a partir do território. Nesse sentido, propomos, através de um olhar interdisciplinar, envolvendo disciplinas das Ciências Sociais e Humanas, com o aporte das Ciências da Saúde, o estudo dos territórios e das territorialidades quotidianas, ou seja, das relações estabelecidas pelos sujeitos idosos nos e com os territórios onde vivem e por onde circulam, a fim de se perceber suas dificuldades/debilidades, necessidades, estratégias e possibilidades para a vivência de velhices com saúde e qualidade. Este estudo consiste em uma discussão teórica preliminar de um projeto de maior fôlego que está a ser desenvolvido, no âmbito de uma investigação doutoral, cujo foco se dá na relação entre velhices e territórios, em cinco diferentes tipologias territoriais do Concelho de Coimbra. Nessa investigação, a metodologia prioritária será a etnografia, aliada à cartografia. Ambas as categorias de análise – velhice e território – são aqui assumidas como plurais e relacionais, entre si e com outras categorias, como sexo/género, idade/geração, nível de escolaridade/ocupação, trajetória pessoal, familiar e profissional, camada social de pertencimento, condições de saúde e de autonomia física e mental, dentre outras, exigindo, por isso mesmo, este esforço analítico e metodológico de carácter interdisciplinar.

Palavras-Chave: Velhices; Territórios; Territorialidades; Saúde; Qualidade de Vida.


The aim of this paper is to reflect on health and quality of life in old age based on the territory. In this sense, through an interdisciplinary approach involving the disciplines of Social and Human Sciences, and Health Sciences, we propose to study the territories and every day territorialities, in other words, the relationships established by the elderly in and with the territories in which they live and circulate, to understand their difficulties/weaknesses, needs, strategies and potential of living old age in health and with quality. This study comprises a preliminary theoretical discussion of a longer-term project under development as part of a doctoral research work, which will focus on the relationship between old ages and territories, in five different types of territories in the council of Coimbra. This future study will primarily consider ethnography associated to cartography. Both categories of analysis – old age and territory – are regarded as plural and relational with each other and with other categories, such as sex/gender, age/generation, schooling/occupation, personal, family and professional development, social group of belonging, conditions of health and physical and mental autonomy, among others, thus requiring this analytical and methodological interdisciplinary study.

Keywords: Old ages; Territories; Territorialities; Health; Quality of life.

Citación:

Medeiros Veiga, Marcia Regina; Rochette Cordeiro, António Manuel y Mairos Ferreira, Sónia Cristina. «Velhices e territórios: uma reflexão sobre saúde e qualidade de vida dos idosos a partir do território idosos a partir do territórioe». International Journal of Developmental and Educational Psychology. N.o2, Volumen 1,(5 de noviembre de 2014): 8. http://dx.doi.org/10.17060/ijodaep/2014.n2.v1.011

  • Awofeso, N. (s/d). Re-defining “Health”. Acedido em Outubro, 09, 2014, em http://www.who.int/bulletin/bulletin_board/83/ustun11051/en/.
  • Cardoso de Oliveira, R. (1996). “O Trabalho do Antropólogo: Olhar, Ouvir, Escrever”. Revista de Antropologia, v. 39, nº 1, pp. 13-37.
  • Corrêa, R. L. (2000). O espaço urbano.São Paulo: Editora Ática.
  • Debert, G. G. (1999). “A construção e a reconstrução da velhice: família, classe social e etnicidade”. In: Neri, A. L. e Debert, G. G. (orgs.). Velhice e Sociedade. Campinas: Papirus, pp. 41-68.
  • Debert, G. G. (2004). A Reinvenção da Velhice. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, Fapesp.
  • Direção Geral de Saúde (2013). Plano Nacional de Saúde 2012-2016 – Volume 2: Perfil da Saúde em Portugal. Acedido em Outubro, 09, 2014, em http://pns.dgs.pt/files/2012/02/Perfil_Saude_2013-01-17.pdf
  • Fernandes, A. A. (1997). Velhice e Sociedade: Demografia, Família e Políticas Sociais em Portugal. Oeiras: Celta Editora.
  • Freitas Silva, L. R. (2008). Da velhice à terceira idade: o percurso histórico das identidades atreladas ao processo de envelhecimento. Revista História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 15, nº 1, jan.-mar. Rio de Janeiro, pp. 155-168.
  • Fundo de Populações das Nações Unidas (2012) Resumo Executivo – Envelhecimento no Século XXI – Celebrações e Desafios. Acedido em Outubro, 09, 2014, em http://www.unfpa.org.
  • Lins de Barros, M. M. (2011). A Velhice na pesquisa socioantropológica brasileira. In: Goldenberg, M. (org.). Corpo, envelhecimento e felicidade. pp. 45-64, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
  • Organização Mundial da Saúde (2008). Guia Global – Cidade Amiga do Idoso.
  • Organização Mundial da Saúde (2004). WHOQOL-OLD – Manual em Português.
  • Paschoal, S. M. P. (2000). Qualidade de vida do idoso: elaboração de um instrumento que privilegia sua opinião. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo. Acedido em Maio 5, 2014, em http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5137/tde-09112001-162639/
  • Peixoto, C. E. (2000). Envelhecimento e Imagem – As Fronteiras entre Paris e Rio de Janeiro. São Paulo: AnnaBlume.
  • Saquet, M. A. (2011). Por uma Geografia das Territorialidades e Temporalidades: Uma Concepção Multidimensional Voltada para a Cooperação e para o Desenvolvimento Territorial. São Paulo: Outras Expressões.
  • Scliar, M. (2007). “História do Conceito de Saúde”. Physis – Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, 17 (1), pp. 29-41. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312007000100003
  • Simielli, M. E. R. (1996). Cartografia e Ensino – Proposta e Contraponto de uma Obra Didática. Tese de Livre Docência. São Paulo: FFLCH/USP.
  • Wilson, C. (2009). “O Envelhecimento no Séc. XXI – Perspectivas Demográficas”. Revista O Tempo da Vida – Fórum Gulbenkian de Saúde sobre o Envelhecimento 2008/2009. Princípia, Cascais, pp. 40-49.

Share

La Asociación INFAD es miembro de: