Revista INFAD de Psicología:  ISSN: 0214-987
2014 (IJODAEP) Nº2, Vol. 1, pp. 177 doi:http://dx.doi.org/10.17060/ijodaep/2014.n2.v1.021

 

Revista INFAD 2014

AS DIFICULDADES DO CUIDADOR INFORMAL NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS AO IDOSO

* Carla Susana Gonçalves Martins
carlasgm@sapo.pt 962485059
** Agostinha Esteves Melo Corte
acorte@ipg.pt 962801228
** Ermelinda Maria Bernardo Gonçalves Marques
emarques@ipg.pt 966771136

*Centro de Saúde Sabugal ULS Guarda; Rua Alexandre Herculano; 6324-010 Sabugal
**Instituto Politécnico da Guarda/ Escola Superior de Saúde;
Unidade de Investigação para o Desenvolvimento do Interior do IPG; Avenida Raínha D. Amélia, s/n; 6300-749 Guarda

Fecha de recepción: 15/10/2014
Fecha de aceptación: 18/10/2014
Fecha de publicación: 05/11/2014

Introdução: Face ao acentuado envelhecimento da população e consequente aumento dos níveis de dependência, torna-se cada vez mais necessário a intervenção dos cuidadores informais.

Objetivos: Avaliar as dificuldades dos cuidadores informais de idosos dependentes e identificar e analisar os fatores determinantes dessas dificuldades.

Metodologia: Estudo descritivo, correlacional, quantitativo e transversal, recorrendo.se a uma amostra não probabilística por acessibilidade constituída por 52 cuidadores. Utilizado um questionário para caracterização do cuidador, do idoso e da prestação de cuidados, o índice de Barthel e o índice de Avaliação das Dificuldades do Cuidador (CADI).

Resultados e discussão: os cuidadores informais percecionam maiores dificuldades nas dimensões: exigências de ordem física, nas reações à prestação de cuidados e nas restrições da sua vida social. Foram identificados e analisados os fatores determinantes das dificuldades percecionadas, nomeadamente: no cuidador informal (idade, estado civil, habilitações literárias, rendimento do agregado familiar), no idoso dependente (sexo, idade, nível de dependência) e na caracterização circunstancial á prestação de cuidados (grau de parentesco, coabitação, tempo despendido em horas de prestação de cuidados).

Conclusão: Os resultados deste estudo mostram a necessidade dos profissionais de saúde orientarem a sua ação para a promoção das capacidades e competências dos cuidadores informais, colmatando as dificuldades percecionadas, minimizando assim o impacto negativo associado à prestação de cuidados.

Palabras chave: Cuidador informal; idoso dependente; prestação de cuidados; dificuldades.


Introduction: Given the aging of the population and consequent increased levels of dependency, it becomes increasingly necessary the intervention of informal caregivers.

Objectives: To assess the difficulties of informal caregivers of dependent elderly and identify and analyze the factors that determine these difficulties.

Methodology: Descriptive, correlational, quantitative, cross-sectional study we opted for a non-probabilistic sample accessibility consists of 52 caregivers. Used a questionnaire to describe the caregivers, the elderly and care, the Barthel index and the index of the Caregiver Assessment of Difficulties (CADI).

Results and discussion: informal caregivers perceive greatest difficulties in dimensions: physical requirements of the order, the reactions to the care and restrictions on their social life. Will provide the informal caregiver (age, marital status, educational attainment, household income), the dependent elderly (gender, age, level of dependency) and circumstantial characterization: We identified and analyzed the determinants of perceive greatest difficulties, particularly care (kinship, cohabitation, time spent in hours of care).

Conclusion: The results of this study show the need for health professionals direct their action to enhance skills and competencies of informal caregivers by bridging the perceive greatest difficulties, thus minimizing the negative impact associated with the provision of care.

Keys words: Informal caregiver; dependent elderly; care; difficulties.

Citación:

Gonçalves, C.S.M; Esteves Melo, Agostinha y Bernardo, Ermelinda Maria. «As dificuldades do cuidador informal na prestação de cuidados ao idoso». International Journal of Developmental and Educational Psychology. N.o2, Volumen 1,(5 de noviembre de 2014): 10. http://dx.doi.org/10.17060/ijodaep/2014.n2.v1.021

  • Almeida, A. J. S. (2008). A Pessoa Idosa Institucionalizada em Lares. Aspectos e contextos da qualidade de vida. Acedido em Abril 20, 2012, em Repositório Aberto do Instituto de Ciências Biomédicas de Abel de Salazar da Universidade do Porto: http://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/7218
  • Andrade, F. M. M. (2009). O Cuidado Informal à Pessoa Idosa Dependente em Contexto Domiciliário: Necessidades Educativas do Cuidador Principal. Acedido em Outubro 20, 2012, em Repositório Aberto do Instituto de educação e Psicologia da Universidade do Minho: http://repositorium.sdum.uminho.pt/Dissertação_Mestrado_Fernanda_…_final.pdf.
  • Bonardi, G., Souza, V. B. A. e Moraes, J. F. D. (2007). Incapacidade funcional e idosos: um desafio para os profissionais de saúde. Scientia Medica, 17 (3), 138-144
  • Brito M. L. S. (2000). A saúde mental dos prestadores de cuidados a familiares idosos. Acedido em Abril 20, 2012, em Repositório Aberto da faculdade de medicina, da Universidade do Porto: repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/9933/…/2524_TM_01_C.p…
  • Brito, L. (2002). A saúde mental dos prestadores de cuidados a familiares idosos. Coimbra: Quarteto Editora.
  • Castro, S. C. P. (2008). Como aprende o cuidador principal do doente oncológico em fase terminal a cuidar no domicílio. Acedido em Abril 20, 2012, em Repositório Aberto do Instituto de Ciências Biomédicas de Abel de Salazar da Universidade do Porto: http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/19379/2/TeseSusana.pdf.
  • Constituição da República Portuguesa (2005). Direitos e deveres sociais (terceira idade), VII Revisão Constitucional, capítulo II, artigo 72. Acedido em Abril 20, 2012, em Assembleia da República:
  • http://www.parlamento.pt/Legislação/Páginas/ConstituiçãoRepublicaPortuguesa.aspx.
  • Decreto-Lei nº 101/2006 de 6 de Junho de 2006: 3856-3865. Acedido em Novembro 16, 2012, em Diário da República Eletrónico: http://www.dre.pt.
  • Direcção Geral de Saúde (2004). Programa Nacional para a Saúde das Pessoas Idosas (2004-2010) Circular Normativa Nº: 13/DGCG, DATA: 02/07/04. Acedido em Outubro 20, 2011, em Portal da Saúde: http://www.portaldasaude.pt/NR/rdonlyres/1C6DFF0E-9E74-4DED-94A9F7EA0B3760AA/0/i006346.pdf
  • Félix, L. M. M. (2008). Sobrecarga e dificuldades dos cuidadores informais dos mais velhos. Acedido em Outubro 20, 2012, em Repositório da faculdade de medicina, da Universidade de Lisboa: http://repositorio.ul.pt/handle/10451/6092.
  • Ferreira, S. M. M. F. (2008). Papel dos cuidadores informais ao idoso com doença de Alzheimer. Acedido em Abril 20, 2012, em Universidade de Aveiro, Secção Autónoma de Ciências da Saúde: http://ria.ua.pt/bitstream/10773/3288/1/2009000625.pdf
  • Figueiredo, D. (2007). Cuidados familiares ao idoso dependente (1ª ed.). Lisboa: Climepsi editores.
  • Grelha, P.A.S.S. (2009).Qualidade de vida dos Cuidadores Informais de Idosos Dependentes em contexto domiciliário. Acedido em Maio 14, 2012, em Faculdade de Medicina de Lisboa:
  • http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/1090/1/21226_ulsd057824_td.pdf
  • Imaginário, C. M. I. (2008). O Idoso Dependente em Contexto Familiar (2ª ed.). Coimbra: Formasau.
  • INEa (2012). Censos 2011. Resultados definitivos – Portugal. Acedido em Dezembro 20, 2012, em: http://www.ine.pt.
  • INE (2002) O envelhecimento em Portugal: Situação demográfica e sócio-económica recente das pessoas idosas. Revista de estudos demográficos, 32, 185-207.
  • Figueiredo, D. (2007). Cuidados familiares ao idoso dependente. Lisboa: Climepsi Editores.
  • Instituto Nacional de Estatística (2010). Acedido em Maio 16, 2011, em: http://www.ine.pt
  • Lage, M.I.G.S. (2007). Avaliação dos cuidados informais aos idosos: estudo do impacte do cuidado no cuidador informal. Acedido em Abril 20, 2012, em Instituto de Ciências Biomédicas de Abel de Salazar da Universidade do Porto.: http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/7243/4/TESE%20DISCUSS%C3%83O%2008%20ABRIL.pdf
  • Paúl, Maria Constança (1997). Lá para o fim da vida: idosos, família e meio ambiente. Coimbra: Livraria Almedina.
  • Pereira, M. F. C. (2008). Cuidadores Informais de Doentes de Alzheimer: Sobrecarga física, emocional e social e psicopatologia. Acedido em Março 20, 2012, em Instituto de Ciências Biomédicas de Abel de Salazar da Universidade do Porto: http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/7152/2/Cuidadores%20Informais%20de%20Doentes%20de%20Alzheimer%20Sobrecarga%20Fis.pdf
  • Quental, A., Duarte, J., Andrade, C. e Pereira, H. (2004). Avaliação do nível de dependência nos idosos: elaboração de um instrumento de medida baseado no conceito de risco. Nursing, 189, 19-23.
  • Ricarte, L. F. C. S. (2009). Sobrecarga do cuidador informal de idosos dependentes no Concelho de Ribeira Grande. Acedido em Abril 20, 2012, em Instituto de Ciências Biomédicas de Abel de Salazar da Universidade do Porto: http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/19131/2/ESCx.pdf
  • Rolo, L. C. A. A. (2009). Sobrecarga e Satisfação com a vida: a percepção dos cuidadores informais de idosos. Acedido em Abril 20, 2012, em Repositório da Secção Autónoma de Ciências da Saúde da Universidade de Aveiro: http://repositorio.ul.pt/handle/10451/6092.
  • Salgueiro, H. D. (2007). Determinantes Psico-Sociais da Depressão no Idoso. Nursing, 222, 7-11.
  • Santos, D.I.F.A. (2008). As vivências do cuidador informal na prestação de cuidados ao idoso dependente. Um estudo no concelho da Lourinhã. Acedido em Abril 14, 2012, em Universidade aberta de Lisboa: http://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/732/1/LC400.pdf
  • Sarmento, E., Pinto, P. e Monteiro, S. (2010). Dificuldades sentidas pelos familiares em cuidar do idoso dependente no domicílio mecanismos de adaptação. Coimbra. Formasau
  • Sequeira, C. (2007). Cuidar de Idosos Dependentes. Coimbra. Quarteto editora.
  • Sequeira, C. (2010). Cuidar de Idosos com Dependência Física e Mental. Lisboa-Porto. LIDEL – edições técnicas, Lda.
  • Silva, Monteiro, Silva et al (2011). Estudo das necessidades dos cuidadores informais do concelho de Ílhavo. Nursing, 281, 6-11.
  • Varizo, M. C. C. (2011). Qualidade de Vida dos Cuidadores Informais de Doentes Dependentes. Acedido em Janeiro 5, 2013, em Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Fernando Pessoa: http://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/2846/3/T_24392.pdf.
  • Sousa, L., Figueiredo, D. e Cerqueira, M. (2006). Envelhecer em Família. 2ª Edição. Porto. Âmbar

Share

La Asociación INFAD es miembro de: