Revista INFAD de Psicología:  ISSN: 0214-987
2014 (IJODAEP) Nº2, Vol. 1, pp. 149 doi:http://dx.doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n2.v1.018

 

Revista INFAD 2014

GRAU DE DETERIORO COGNITIVO EM IDOSOS NUMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA

Andreia Sousa1
Manuel Joaquim Loureiro2

1 Estudante do 2º ano de Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde – Universidade da Beira Interior
2 Universidade da beira Interior e Centro de Investigação em Desporto, Saúde e Desenvolvimento Humano

Fecha de recepción: 15/10/2014
Fecha de aceptación: 16/10/2014
Fecha de publicación: 05/11/2014

RESUMO

Este estudo tem como objetivo caracterizar o grau de deterioro cognitivo em função das diferentes variáveis sociodemográficas de 37 idosos residentes numa instituição de longa permanência, em que, mediante os dados recolhidos, esperamos retirar implicações que possam ajudar a melhor desenhar as intervenções para a prevenção e promoção da saúde e bem-estar desta população. De modo a dar resposta aos objetivos delineados, utilizou-se para além do questionário sociodemográfico o Mini Mental State Examination (MMSE). Embora os resultados só tenham evidenciado diferenças estatisticamente significativas ao nível deterioro cognitivo em analfabetos e uma correlação negativa entre a idade, os resultados indicam uma tendência para maior grau de deterioro cognitivo entre o género feminino, estatutos socioeconómico baixos, maior tempo de institucionalização, ausência de participação nas atividades socioculturais e de entretenimento, participantes dependentes na realização das Atividades de Vida Diária (AVD´s), participantes que não mantêm contato frequente com os seus familiares, menor frequência das visitar recebidas e o facto de não ter amigos dentro do Lar. Assim, conclui-se que a idade avançada e o analfabetismo são identificados como possíveis fatores de risco no deterioro cognitivo desta amostra de idosos institucionalizados, estando estes dados em concordância com a literatura consultada.

Palavras chave: Envelhecimento, Institucionalização, Grau de Deterioro Cognitivo.

ABSTRACT

This study aims to characterize the degree of cognitive deterioration due to different socio-demographic variables of 37 elderly residents in long-stay institutions, where, upon the data collected, we hope to draw implications that may help to better design interventions for the prevention and health promotion and well-being of this population. In order to meet the goals outlined it was used in addition to sociodemographic questionnaire and the Mini Mental State Examination (MMSE). Although the results only evidenced statistically significant differences in cognitive deterioration level at illiterate and a negative correlation between age, the results indicate a trend towards a higher degree of cognitive deterioration between the female gender, low to very low socioeconomic status, longer institutionalization time, the non-participants in social, cultural and entertainment activities, participants dependent on activities of daily living (ADL), participants who do not maintain frequent contact with their families, lower frequency of visits received and those who don’t have any friends within the institution. Thus, it is concluded that older age and illiteracy are identified as possible risk factors of cognitive deterioration in this sample of institutionalized elderly, being these results in accordance with the literature.

Keywords: Aging, Institutionalization, Degree of Cognitive Deterioration

Citación:

Sousa, Andreia y Loureiro, Manuel Joaquim.«Grau de deterioro cognitivo em idosos numa instituição de longa permanência». International Journal of Developmental and Educational Psychology. N.o2, Volumen 1,(5 de noviembre de 2014): 10. http://dx.doi.org/10.17060/ijodaep.2014.n2.v1.018

  • Adelman, A. M. & Daly, M. P. (2005). Initial evaluation of the patient with suspected dementia. American Family Physician, 71 (9), 1745-50. PMid:15887453
  • Almeida, A. J. P. S. (2008). A pessoa idosa institucionalizada em Lares. Aspetos e contextos da qualidade de vida. (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade do Porto – Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, Porto.
  • Argimon, I. I. L., Bicca, M., Timm L. A. & Visan, A. (2006). Funções executivas e avaliação de flexibilidade de pensamento em idosos. Revista brasileira de Ciências do Envelheciemnto Humano, 3 (2), 35-42.
  • Baltes, P. (1987). Theoretical propositions of Life-Span developmental psychology: on the dynamics between growth and decline. Developmental pychology – American Psychological Association, 23 (5), 611-626.
  • Baltes, P. B. & Mayer, K. U. (1999). The Berlim Aging Study Aging from 70 to 100. Cambridge, United Kingdom: Cambridge University Press.
  • Banhoto, E. F. C. & Nascimento, E. (2007). Funções executivas em idosos: um estudo utilizando subtestes da Escala WAIS-III. Psico-USF, 12 (1), 65-73).
  • Caramelli, P. & Barbosa, M.T. (2002). Como diagnosticar as quatro causas mais frequentes de demência?. Revista Brasileira de Psiquiatria, 24 (1), 7-10. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462002000500003
  • Carret, N., Lafort, S., Letenneur, L., Dartigues, J. M., Mayo, W. & Fabrigoule, C (2010). The Effect of Education on Cognitive Performances and its implication for the constituion of the cognitive reserve. Developmental Neurpsychology, 23 (3), 317-337. http://dx.doi.org/10.1207/S15326942DN2303_1 PMid:12740188
  • Davim, R. M. B., Torres, G. V., Dantas, S. M. M. & Lima, V. M. (2004). Estudo com idosos de instituições asilares no município de Natal/RN: características socioeconômicas e de saúde. Revista Latino Americana de Enfermagem, 12 (3), 518-524. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692004000300010 PMid:15303209
  • Delgado, R. G., Munoz, L. A. Z., Sanchez, J. C. P. Pozo, A. H., Zamorano, R. D. G. & Osorio (2001). Estudo del defict cognitivo en pacientes ingressados en una residência geriátrica. Medicina General, 38, 792-796.
  • Duarte, Y. A., Andrade, C. L., & Lebrão, M. L. (2006). O Índex de Katz na avaliação da funcionalidade dos idosos. Revista da Escola de Enfermagem, 41 (2), 317-125. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342007000200021
  • Falcão, D., Santo, H. E. Matreno, J., Fermino, S., & Guadalupe, S. (2012). Envelhecimento e funcionamento cognitivo: o papel da escolaridade e profissão, In A. Rodrigues & C. Freitas (coord.), I Congresso Internacional de Gerontologia Social dos Açores – Problemáticas e desafios. Construção duma nova realidade (pp 116-119), Açores: Universidade dos Açores – escola Superior de Enfermagem de Angra do heroísmo.
  • Fonseca, A. M. (2006). O Envelhecimento uma abordagem psicológica (2 Eds.). Lisboa: Universidade Católica Editores (Campus do Saber).
  • Fontaine, R. (2000). Psicologia do Envelhecimento. Lisboa: Climepsi Editores. Foroni, P. M. & Santos, P. L. (2012). Fatores de risco e proteção associados ao declínio no envelhecimento – revisão sistemática de literatura. Ver Bras Promoç Saúd, 25 (3), 364-373.
  • Fragoso, V. (2008). Humanização dos cuidados a prestar ao idoso institucionalizado. IGT na Rede, 5 (8), 1.
  • Freitas, S., Alves, L., Simões, M.R. & Santana, I. (2013). Importância do Rastreio Cognitivo na População Idosa. Revista Eletrónica de Psicologia, Educação e Saúde, 3 (1), 4-24.
  • Garcia, A. B. (2013). Evaluación y seguimiento del estado cognitivo y afectivo de una muestra de personas mayores institucionalizadas. (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade da Coru-a – Facultad de Ciencias de la salud y D-a, Coru-a.
  • Glisky, E. L. (2007). Changes in cognitive function in human aging. In D. R. Riddle (Ed.), Brain Aging: Models, Methods, and Mechanisms (Cap. I, pp 3-20). Winston-Salem: Boca Raton (FL): CRC Press.
  • Guidetti, A., & Pereira, A. (2008). A importância da comunicação na socialização dos idosos. Revista de Educação, XI, 119-136.
  • Lima, M. (2010). Envelhecimento (s). Coimbra: Imprensa da universidade de Coimbra. http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0355-1
  • Lima, R. H. & Cammarota, M. P. (2012). Atualizações em memória e envelhecimento. In C. H. A. Schwanke, G. A. Carli, I. Gomes, & Z. C. L. Lindôso (Orgs), Atualizações em geriatria e gerontologia Iv: Aspectos demográficos, biopsicossociais e clínicos do envelhecimento (Cap. 5, pp. 81-95.) Porto Alegre: Edipucrs.
  • Maia, L., Matos, M., Correia, C., Machado, M. & Silva, C. F. (2012). Screening cognitivo através do MMSE em 82 idosos institucionalizados de duas dependências da Santa Casa da Misericórdia do Fundão – Cova da Beira. Acedido em http://www.portaldapsicologia.pt/engine.php?id=532
  • Martins, C. (2011). Manual de análise de dados quantitativos com recurso ao IBM SPSS: saber decidir, interpretar e redigir. Braga: Psiquilíbrios Edições. Martins, R., M., L. (s.d.). Envelhecimento e políticas sociais. Universidade de Taubaté. Acedido em http://www.ipv.pt/millenium/millenium32/10.pdf
  • Mitchell, A. J. (2009). A meta-analysis of the accuracy of the mini-mental state examination in the detection of dementia and mild cognitive impairment. Journal of Psychiatric Research, 43 (4), 4111-431. http://dx.doi.org/10.1016/j.jpsychires.2008.04.014 PMid:18579155
  • Morgado, J., Rocha, C., Guerreiro, C. & Martins, I. (2009). Novos valores normativos do Mini-Mental State Examination. Laboratório de Estudos de Linguagem, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, Lisboa. 9 (2), 19-25.
  • Ngandu, T., Strauss, V. E., Helkala, E. L., Winblad, B., Nissinem, A., Tuomilehto, J., (…) Kivipelto, M. (2007). Education and Dementia. Neurology, 69 (14), 1442-1450. http://dx.doi.org/10.1212/01.wnl.0000277456.29440.16 PMid:17909157
  • Oliveira, P. H. (2010). Características sociodemográficas, deficit cognitivo e capacidade funcional de idosos institucionalizados, MT. (Dissertação de mestrado não publicada). Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Brasil.
  • Parente, M. A. M. P. & Wagner, G. P. (2009). Teorias abrangente sobre envelhecimento cognitivo. In M. A. M. P. Parente & cols., Cognição e envelhecimento (Cap. 2, pp. 31-45). Porto Alegre: Artmed.
  • Paúl, C. (2005). A construção de um modelo de envelhecimento humano. In C. Paúl & A. M. Fonseca, Envelhecimento em Portugal (pp. 21-41). Lisboa: Climepsi.
  • Perlini, N. M. O. G., Leite, M. T. & Furini, A. C. (2007). Em busca de uma instituição para a pessoa idosa morar: motivos apontados por familiares. Ver Esc Enferm USP, 41 (2), 229-236. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342007000200008
  • Pezzotti, P., Scalmana, S., Mastromattei, A. & Di Lallo, D. (2008). The accuracy of the MMSE in detecting cognitive impairment when administered by general practitioners: A prospective observational study. BMC Famaly Practite, 9 (29). Acedido em http://www.biomedcentral.com/1471-2296/9/29http://dx.doi.org/10.1186/1471-2296-9-29 PMid:18477390 PMCid:PMC2426687
  • Rosa, M. (2012). O envelhecimento da sociedade portuguesa. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.
  • Salthouse, T. A. (1999). Theories of cognitive. In V. L. Bengtson & K. W. Schaie (Ed), Handbook of Theories of Aging (Cap. 11, pp. 196-208). New York: Springer Publishing Company.
  • Santos, P. L. D. F. C. (2002). A depressão no Idoso. Estudo da relação entre factores pessoais e situacionais e manifestações da depressão. (2 ed.). Coimbra: Quarteto Editora.
  • Scarmeas, N., Levy, M. D. Tang, M.-X., Manly, L. & Ster, Y. (2001). Influence of leisure activity on the incidence of Alzheimer’s Disease. Neurology, 57, 2236-2242. http://dx.doi.org/10.1212/WNL.57.12.2236 PMid:11756603 PMCid:PMC3025284
  • Schultz-Larsen, K., Kreiner, S., & Lomholt, R. (2007). Mini-Mental Status Examination: Mixed Rasch model item analysis derived two different cognitive dimensions of the MMS. Jounal of Clinical Epidemiology, 60, 268-279. http://dx.doi.org/10.1016/j.jclinepi.2006.06.007 PMid:17292021
  • Seeman, T. E. Lusignolo, T. M. & Berkman, L. (2001). Social Relationships, social support, and patterns of cognitive aging in healthy, high-functioning older adults: MacArthur Studies of Successful Aging [Abstract]. Health Psy-chology, 20 (4), 243-255, 2001 http://dx.doi.org/10.1037/0278-6133.20.4.243 PMid:11515736
  • Soares, E., Coelho, M. O. & Carvalho, S. M. R. (2012). Capacidade funcional, declínio cognitivo e depressão em idosos institucionalizados: possibilidade de relações e correlações. Revista Kairós gerontológica, 15, (5), 117-139.
  • Stern, Y. (2006). Cognitive Reserve and Alheimer Disease. Alzheimer Disease & Associated Disorders, 20, 112-117. http://dx.doi.org/10.1097/01.wad.0000213815.20177.19 PMid:16772747
  • Thibaut, J. M. & Steiner, R W. P. (2004). Efficient identification of adults with depression and dementia. American Family Physician, 70 (6), 1101-1110.
  • Wajman, j. & Bertolucci, P. (2010). Intellectual demand and formal education as cognitive protection factors in Alzheimer´s disease. Dementia & Neuropsycholagia, 4 (4), 320-324.
  • Wang, H.-X. Karp, A. Winblad, B. & Fratiglioni, L. (2002). Late-life engagement in social and leisure activities is associated with a de-creased risk of dementia: a longitudinal study from the Kungsholmen. American Journal of Epidemiology, 155, 1081-1087. http://dx.doi.org/10.1093/aje/155.12.1081 PMid:12048221
  • Wittchen, H. U., Jacobi, F., Rehm, J., Gustavsson, A., Svensson, M., Jönsson, B (…) Steinhausen, H. C. (2011). The size and burden of mental disorderes and other disorders of the brain in Europe 2010. European Neurpsychophamacology, 21, 655-679. http://dx.doi.org/10.1016/j.euroneuro.2011.07.018 PMid:21896369
  • Zamora, Z., E., H. (2011). La Gestalt: Una alternativa para el trabalho psicoterapêutico grupal com adultos mayores. In Fernando Q. (coord.), Atençión psicológica de las personas mayores: investigación y experiencias en psicológia del envejecimiento. México: Editorial Pax México.

Share

La Asociación INFAD es miembro de: