Revista INFAD de Psicología:  ISSN: 0214-987
2014 (IJODAEP) Nº2, Vol. 1, pp. 133 doi:http://dx.doi.org/10.17060/ijodaep/2014.n2.v1.016

 

Revista INFAD 2014

DIFICULDADES DOS CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

DIFFICULTIES OF CAREGIVERS FORMAL INSTITUTIONALIZED ELDERLY

Sónia Andreia dos Santos Pereira
soniandreia27@gmail.com– 966269175
Agostinha Esteves Corte
acorte@ipg.pt 962801228
Ermelinda Maria Bernardo Gonçalves Marques
emarques@ipg.pt 966771136

Instituto Politécnico da Guarda/ Escola Superior de Saúde
Unidade de Investigação para o Desenvolvimento do Interior do IPG
Avenida Raínha D. Amélia, s/n
6300-749 Guarda

**USF Ribeirinha ULS Guarda
R. Dr.Francisco dos Prazeres
6300 Guarda

Fecha de recepción: 15/10/2014
Fecha de aceptación: 15/10/2014
Fecha de publicación: 05/11/2014

Introdução: O aumento progressivo da população idosa coloca novos desafios às instituições de terceira idade e aos cuidadores formais. Objetivos: conhecer as dificuldades dos cuidadores formais de idosos institucionalizados, bem como analisar em que medida o cansaço físico, psicológico e a ansiedade influenciam essas dificuldades.

Metodologia: O estudo descritivo, correlacional, transversal e de natureza quantitativo. Da amostra fizeram parte 40 cuidadores (ajudantes de ação direta) de três Instituições (Lares de Idosos em regime de internamento) do Distrito da Guarda. O instrumento de recolha de dados foi um formulário elaborado especificamente para o estudo, onde se inclui a escala de autoavaliação de ansiedade de Zung, recorrendo-se a uma amostra não probabilística por conveniência. Resultados: Os cuidadores de idosos institucionalizados apresentam maiores dificuldades na prestação de cuidados ao nível da deambulação/mobilização, da alimentação, da higiene, da comunicação e das alterações emocionais. Constatou-se ainda que, quanto maior for o cansaço físico e psicológico e quanto maiores forem os níveis de ansiedade do cuidador, mais dificuldades estes apresentam na prestação de cuidados aos idosos.

Conclusão: Os resultados obtidos sugerem a necessidade de desenvolver programas de formação direcionados às cuidadoras formais, de modo a adquirirem competências perante as dificuldades encontradas no estudo, mas também mediar estratégias de coping, contribuindo desta forma para a diminuição da sua ansiedade e, consequente melhoria da qualidade dos cuidados prestados aos idosos institucionalizados.

Palavras chave: Idosos; Institucionalização; Dificuldades dos Cuidadores Formais.


Introduction: The progressive increase in the elderly population poses new challenges to institutions for the aged and formal caregivers. Objectives: To know the difficulties of formal caregivers of institutionalized elderly and to examine to what extent the physical, psychological fatigue and anxiety influence these difficulties.

Methodology: This descriptive, correlational, cross-sectional study of quantitative nature. The sample were part of 40 helpers direct action (caretakers) of three institutions (homes for the elderly inpatient) of the District of Guarda. The instrument for data collection was a form developed for the study, which includes a self-assessment scale of Zung anxiety of, resorting to a non-probability convenience sample. Results: The caregivers of institutionalized elderly have more difficulty in providing care to the level of ambulation / mobilization, nutrition, hygiene, communication and emotional changes. It was also found that the greater the physical and psychological fatigue and the higher levels of anxiety are the caregiver, they present more difficulties in providing care for the elderly.

Conclusion: The results suggest the need to develop training programs targeted to formal caregivers in order to gain competence in the face of difficulties encountered in the study, but also mediate coping strategies, thus contributing to the reduction in their anxiety and consequent improvement the quality of care for institutionalized elderly

Keys words: Senior citizens; institutionalization; Difficulties of Formal Caregivers.

Citación:

dos Santos, Sónia Andreia y Gonçalves, Ermelinda. «Dificuldades dos cuidadores formais de idosos institucionalizados//Difficulties of caregivers formal institutionalized elderly». International Journal of Developmental and Educational Psychology. N.o2, Volumen 1,(5 de noviembre de 2014): 8. http://dx.doi.org/10.17060/ijodaep/2014.n2.v1.016

  • Almeida, A. (2008). A pessoa idosa institucionalizada em Lares. Aspectos e contextos da Qualidade de Vida. Dissertação de Mestrado apresentada ao Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar.
  • Barbosa, A.L.; Cruz, J.; Figueiredo, D. et al (2011). Cuidar de Idosos com Demência em Instituições: Competências, dificuldades e necessidades percepcionadas pelos cuidadores formais. Acedido em Julho 19, 2013, em Psicologia, Saúde e Doenças: http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/scielo.php?pid=S164500862011000100008&script=sci_arttext
  • Berger, L. (1995). Aspectos biológicos do envelhecimento. In L. Berger e D. Mailloux-Poirier, Pessoas Idosas: uma abordagem global (pp. 123-155). Lisboa: Lusodidacta.
  • Brito, L. (2003). A saúde mental dos prestadores de cuidados a familiares idosos. Coimbra: Quarteto Editora.
  • Cardão, S. (2009). O Idoso Institucionalizado. Vialonga: Coisas de Ler Editora.
  • Carrilho, P.M. (2012). Epidemiologia dos acidentes de trabalho e exercício físico em instituições de apoio a idosos. Dissertação de Mestrado. Bragança: Instituto Politécnico de Bragança.
  • Fernandes, P. (2000). A depressão no Idoso – Estudo da relação entre fatores pessoais e situacionais e manifestações na depressão. Coimbra: Quarteto.
  • Fernandes, S.L.C. (2010). Vivências em lares de idosos: Diversidade de Percursos: um estudo de caso. Dissertação de Mestrado. Universidade Portucalense Infante D. Henrique.
  • Fragoso, V. (2008). Humanização dos cuidados a prestar ao idoso institucionalizado. Revista IGT na Rede, v. 5, 8, pp.51-61.
  • Imaginario, C.M.I. (2008). O Idoso Dependente em Contexto Familiar- Uma análise da Visão da Família e do Cuidador Principal. Coimbra: Formasaut
  • Instituto da Segurança Social (2011). Carta Social. Rede de Serviços e Equipamentos. Acedido em Julho 5 de 2013, em http://www.cartasocial.pt/index1.php# [consultado em: 25/04/2012].
  • Jacinto, L. (2003). Uma proposta de perfil profissional para as IPSS. Lisboa. Instituto Superior de ciências do Trabalho e da Empresa.
  • Lage, M.I.G.S. (2007). Avaliação dos cuidados informais aos idosos: estudo do impacte do cuidado no cuidador informal. Acedido em Abril 20, 2012, em Instituto de Ciências Biomédicas de Abel de Salazar da Universidade do Porto.: http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/7243/4/TESE%20DISCUSS%C3%83O%2008%20ABRIL.pdf.
  • Lobo, A.; Pereira, A. (2007). Idoso Institucionalizado: Funcionalidade e Aptidão Física. Revista Referência, II.ª Série, 4, 61-68.
  • Mendes, J.A.M. (2010).A Vivência Subjectiva dos Cuidadores de Pessoas com Demência: Temas Centrais, sintomatologia emocional e estratégias de confronto. Acedido em Janeiro, 8, 2013 em Faculdade de Psicologia de Lisboa:http://repositorio.ul.pt/handle/10451/2519.
  • Pimentel, P. (2001). O lugar do idoso na família: contextos e trajectórias. Coimbra: Quarteto Editora.
  • Ponciano, E., Serra, A.V., e Relvas, J. (1982a). Aferição da escala de auto-avaliação de ansiedade, de Zung, numa amostra de população Portuguesa- I. – Resultados da aplicação numa amostra de população normal. Psiquiatria Clínica, 3 (4), 191-202.
  • Ponciano, E., Serra, A.V., e Relvas, J. (1982b). Aferição da escala de auto-avaliação de ansiedade, de Zung, numa amostra de população Portuguesa-II. – Sua avaliação como instrumento de medida. Psiquiatria Clínica, 3 (4), 203-213.
  • Santos, P.AL. (2005). O Familiar Cuidador em Ambiente Domiciliário: Sobrecarga física, emocional e social. Dissertação de Mestrado. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa – Escola Nacional de Saúde Pública.
  • Sequeira, C. (2010). Cuidar de Idosos com Dependência Física e Mental. Lisboa: Lidel Editora.

Share

La Asociación INFAD es miembro de: