Revista INFAD de Psicología:  ISSN: 0214-987
2014 (IJODAEP) Nº2, Vol. 1, pp. 119 doi:http://dx.doi.org/10.17060/ijodaep/2014.n2.v1.014

 

Revista INFAD 2014

QUANDO O DOENTE RECUSA… REFLEXÃO SOBRE OS DIREITOS DO IDOSO

WHEN THE PATIENT DENIES… REFLECTION ON THE RIGHTS OF THE ELDERLY PATIENT

Sofia Rodrigues
Médica Interna de Formação Específica em Medicina Geral e Familiar na USF Novo Sentido, ACeS Porto Oriental
sofiarodrigues.b@gmail.com
Telemóvel: +351 934236243

Darcília Eusébio
Médica Assistente de Medicina Geral e Familiar na USF Novo Sentido e na ECCI de Campanhã, ACeS Porto Oriental
eusebiodarcilia@gmail.com
Telemóvel: +351 927996216

Unidade de Saúde Familiar Novo Sentido
Unidade de Cuidados Continuados de Campanhã
Rua Matias de Albuquerque, 263
4350-230 Porto – Portugal

Fecha de recepción: 15/10/2014
Fecha de aceptación: 16/10/2014
Fecha de publicación: 05/11/2014

RESUMO

Introdução

A vontade manifesta pelo doente é um vetor de afirmação dos seus direitos individuais. O direito à recusa é uma expressão concreta da liberdade biopsicossocial do doente.

Objetivo: Reflexão crítica do tema, através da partilha de um caso clínico.

Descrição do Caso Clínico

Idosa, 74 anos, independente nas atividades da vida diária, vive só (viuvez recente). Diabetes mellitus tipo 2 com retinopatia e neuropatia. Proposta amputação do pé esquerdo por úlcera extensa com osteomielite, que recusou.

Orientada para a Equipa de Cuidados Continuados Integrados (ECCI) de Campanhã. Quadro agravado com posterior diagnóstico de endocardite bacteriana. A equipa multidisciplinar da ECCI, Psiquiatria e Delegada de Saúde interviram para envolver a utente numa decisão informada. Pela recusa sistemática às propostas de orientação e tratamento, e tendo a sua capacidade de decisão sido considerada preservada, foi respeitado o seu direito fundamental de recusa.

Discussão/ Conclusão

Até onde podemos ir? A recusa de assistência médica, particularmente no doente idoso, pode ser reflexo da sua vulnerabilidade individual, e carece de sinalização e intervenção personalizada. O dilema ético ambivalente e dual na perspetiva – o direito da utente em recusar e o dever dos profissionais de saúde em aceitar a recusa, respeitando o princípio ético da autonomia, versus o princípio da beneficência.

Palavras – chave: Direitos e deveres do utente, profissional de saúde, princípios éticos, leges artis.

ABSTRACT

Introduction

Patient’s will is a vector through which he/she claims his/her individual rights. The right to “denial” is a practical expression of freedom of choice, biological, psychological and social, altogether.

Objective: Critical reflection on patient’s will through a clinical case.

Description of the Clinical Case

Elderly woman, 74 years old, short-time widowhood, independent for daily life activities. Type 2 Diabetes Mellitus, retinopathy and neuropathy. Proposed left foot amputation due to extensive foot ulcer complicated by osteomyelitis, which the patient refuses.

The patient was flagged for domiciliary healthcare, provided by a team of integrated continuous domiciliary care healthcare professionals from Campanhã. The clinical set was complicated by the development and diagnosis of acute bacterial endocarditis.

The ECCI team, psychiatrist and public health practitioner intervened in an effort to involve the patient in a well-informed decision. Because of the patient’s persistent denial of orientation and care, and after confirming her mental suitability to make such a decision, her freedom of choice was respected.

DISCUSSION/Conclusion

How far should we go in healthcare? Refusal of medical assistance, specifically by the elderly patient, might be a sign of vulnerability and requires specific orientation and customized intervention. The ethical dilemma is paradoxical – the patient’s right to denial and the duty of healthcare professionals to accept it, which represent respect for ethical principle of autonomy, versus the principle of beneficence.

Keywords: Patient’s rights and duties, healthcare professional, ethical principles, leges artis.

Citación:

Sofia, Rodrigues; Eusébio, Darcília; Darcília Eusébio, Sofia Rodrigues. «Quando o doente recusa… reflexão sobre os direitos do idoso». International Journal of Developmental and Educational Psychology. N.o2, Volumen 1,(5 de noviembre de 2014): 8. http://dx.doi.org/10.17060/ijodaep/2014.n2.v1.014

  • Direção Geral da Saúde (1998). Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes. Lisboa, Direção-Geral da Saúde.
  • Declaração Universal de Bioética e Direitos Humanos (2005). UNESCO.
  • Constituição da República Portuguesa, nº 1, Artigo 64.
  • Juramento de Hipócrates, versão atualizada em 1983.
  • Serrão, D., et al. (1998). Recomendações para uma Reforma Estrutural, Conselho de Reflexão sobre a Saúde. Ministério da Saúde, p. 40.
  • Direitos e deveres do utente dos serviços de saúde, Consolidação pela Lei 15/2014, de 21 de março de 2014. Diário da República, 1ª série, nº 57.
  • Constituição da República Portuguesa, nº 1, Artigo 41
  • Constituição da República Portuguesa, nº 1, Artigo 25.
  • Entidade Reguladora da Saúde (maio 2009). Consentimento Informado – Relatório Final.
  • Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, proclamada em 7 de dezembro de 2000. Jornal Oficial da União Europeia (30 de março de 2010).
  • Beauchamp, T.L. & Childress, J.F. (2001). Principles of Biomedical Ethics. 5th Ed., Oxford University Press.
  • Barreto, J. (1996). Doença Psíquica. In Archer L., Biscaia J. & Osswald W., Eds., Bioética, pp. 314-323, Editorial Verbo, Lisboa.
  • World Psychiatric Association: Declaration of  Madrid, 1996.
  • Roque, C. (1996). Ética e Religião. In Archer, L., Biscaia, J. & Osswald, W., Eds., Bioética, Editorial Verbo, Lisboa.
  • Código Deontológico da Ordem dos Médicos, Artigo 44 º, Regulamento n.º 14/2009, da Ordem dos Médicos, Diário da República, 11 de janeiro de 2009, n.º 8, 2ª série.
  • Convenção para a Proteção dos Direitos do Homem e da Dignidade do Ser Humano face às Aplicações da Biologia e da Medicina (1997). Conselho da Europa. Resolução da Assembleia da República nº 1/2001.
  • Jonsen, A. R., Siegler, M. & Winslade, W.J. (1999). Recusa competente de tratamento. In Ética Clínica. Uma Abordagem Prática de Decisões Éticas em Medicina Clínica. 4ª Ed., McGraw-Hill, Lisboa.

Share

La Asociación INFAD es miembro de: