Dificuldades na amamentação no primeiro mês de vida: impacto dos contextos de vida

Paula Nelas, Emília Coutinho, Claúdia Chaves, Odete Amaral, Carla Cruz

Resumen


Enquadramento: O aleitamento materno não é determinado simplesmente de forma biológica, também envolve fatores emocionais e socioculturais.

Objetivos: Identificar as dificuldades mais frequentes associadas à amamentação no primeiro mês de vida do bebé; avaliar a relação entre as dificuldades na amamentação e a satisfação com a vida; analisar a relação entre as dificuldades na amamentação e as variáveis sociodemográficas.

Métodos: Estudo quantitativo, descritivo, correlacional. Os dados foram recolhidos através de um questionário, aplicado em dois momentos, aos 7 e aos 30 dias de vida do bebé, que permitiu fazer a caracterização sociodemográfica, caracterização da amamentação. Inclui ainda a Escala de Satisfação com a Vida (Simões, 1992). A amostra é não probabilística por conveniência, constituída por 255 puérperas que amamentam, com idade média de 20,7 anos, inscritas nas Unidades de Saúde Familiar e Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados na região centro de Portugal.

Resultados: As participantes são maioritariamente casadas, com escolaridade inferior ao 3º ciclo, empregadas em tempo completo e residentes na cidade. Quanto às dificuldades mais frequentes associadas à amamentação nos dois momentos de avaliação do estudo (7º e 30º dia de vida do bebé) verificamos que as dificuldades/problemas sentidas ao 7º dia se mantêm no 30º, predominando as fissuras (77.5%), o ingurgitamento mamário (66.7%), a mastite (63.6%), as dificuldades na pega (82.4%), na posição e postura para amamentar (50.0%). As dificuldades na amamentação não se relacionam com a satisfação com a vida.

Conclusões: Sabendo que as mulheres apresentam dificuldades relacionadas com a amamen tação é importante o apoio por parte dos enfermeiros de modo a que as mesmas possam ultrapassá- las e que não se constituam como motivo de abandono da amamentação.


Palabras clave


amamentação; dificuldades; manutenção; satisfação com a vida

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Aguiar, H., & Silva, A. I. (2011). Aleitamento materno: A importância de intervir. Acta Médica Portuguesa, 24, 889-896. Acedido em http://www.actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp/article/.../1164

Cremonese, L., Wilhelm, L. A., Santos, C., Alves, C. N., Martello, N. V., Silva, S. C.,… Ressel, L. B. (2011). Dificuldades vividas no processo do aleitamento materno. Acedido em http://www.unifra.br/eventos/sepe2012/Trabalhos/5753.pdf

Cunha, A. C., Santos, C., & Gonçalves, R. M. (2012). Concepções sobre maternidade, parto e amamentação em grupo de gestantes. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 64(1), 139-155.

Ferreira, M., Nelas, P., & Duarte, J. (2011). Motivação para o aleitamento materno: Variáveis intervenientes. Millenium, 40, 23-38.

Frota, D. A. L., & Marcopito, L. F. (2004). Breastfeeding among teenage and adult mothers in Brazil. Revista Saúde Pública, 38(1), 85-92.

Gatti, L. (2008). Maternal perceptions of insufficient milk supply in breastfeeding. Journal of Nursing Scholarship, 40(4), 355-363.

Greiner, T. (2014). Possibilidades e limitações da amamentação entre mulheres trabalhadoras formais. Revista Saúde Pública, 31(2), 149-156.

Gubert, J. K., Veieira, C. S., Oliveira, B. R. G., Delatore, S., & Sanches, M. M. (2012). Avaliação do aleitamento materno de recém-nascidos prematuros no primeiro mês após a alta. Ciencia, Cuidado e Saúde, 11(1), 146-155.

Levy, L., & Bértolo, H. (2012). Manual de aleitamento materno. Comité Português para a UNICEF/Comissão Nacional Iniciativa Hospitais Amigos dos Bebés.

Pinto, T. (2008). Promoção, protecção e apoio ao aleitamento materno na comunidade Revisão das estratégias no período pré-natal e após a alta. Arquivos de Medicina, 22, 2-3.

Sandes, A., Nascimento, C., Figueira, J., Gouveia, R., Valente, S., Martins, S.,… Silva, L. J. (2007). Aleitamento materno: Prevalência e factores condicionantes. Acta Médica Portuguesa, 20, 193-200. Acedido em http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/17639/1/aleitamento_materno.pdf

Simões, A. (1992). Ulterior validação de uma escala de satisfação com a vida (SWLS). Revista Portuguesa de Pedagogia, 26, 503-515.

Sousa, N., & Bernardes, A. (2010). Aleitamento materno: Prevalência e caracterização da informação prestada. Revista Portuguesa de Clínica Geral, 26(5), 440-448. Acedido em http://www.rpmgf.pt/ojs/index.php/rpmgf/article/view/10778

Venâncio, S. I., & Monteiro, C. A. (2006). Individual and contextual determinants of exclusive breastfeeding in São Paulo, Brazil: A multilevel analysis. Public Health Nutrition, 9, 40-46.

Walker, M. (2008). Conquering common breast-feeding problems. Journal of Perinatal & Neonatal Nursing, 22(4), 267-274.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2017.n1.v3.987 Statistics: Resumen : 1016 views. PDF (Português (Portugal)) : 251 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2017 Paula Nelas, Emília Coutinho, Claúdia Chaves, Odete Amaral, Carla Cruz

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877