Repercussões das atividades domésticas e de lazer no rendimento escolar dos adolescentes

Leonor Pestana, João Duarte, Emília Coutinho, Cláudia Chaves, Paula Nelas, Odete Amaral

Resumen


Introdução: O rendimento escolar dos adolescentes é determinado por variáveis relacionadas com as atividades domésticas e de lazer.

Objectivo: Identificar as variáveis relacionadas às atividades domésticas e de lazer que influenciam o rendimento escolar dos adolescentes.

Metodologia: Estudo observacional, quantitativo, não experimental, em corte transversal, descritivo e correlacional, explicativo e retrospectivo, realizado numa amostra não probabilística intencional por conveniência, constituída por 380 adolescentes com uma média de idades de 13.5 anos (±1.56 dp).

Resultados: Os adolescentes que colaboram com os familiares em atividades domésticas revelam melhor rendimento escolar (p=0,014). O rendimento escolar dos adolescentes é maior naqueles que ocupam menos de uma hora por dia em atividades de lazer, como no uso do computador (p=0,05), na visualização de vídeos (p=0,021), e no uso de jogos em PC ou em consola (p=0,011).

Conclusão: As atividades domésticas influenciam positivamente o rendimento escolar dos adolescentes, enquanto as atividades de lazer como passar tempo a usar o computador, ver vídeos, jogar em computador e/ou em consola em tempos superiores a uma hora o influenciam negativamente.


Palabras clave


atividades domésticas; atividades de lazer; adolescentes; rendimento escolar; ocupação de tempos livres

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Camargo, L.O.L. (1989). O que é Lazer. São Paulo: Brasiliense.

Cunha, A. (2013). A Importância das Atividades Extracurriculares na Motivação Escolar e no Sucesso Escolar. (Mestrado), Universidade Fernando Pessoa, Porto.

Duarte, J. (2008). Privação do sono, rendimento escolar e equilíbrio psico-afectivo na adolescência. (Doutoramento), Universidade do Porto, Porto

Dumazedier, J. (1976). Lazer e Cultura popular. São Paulo: Perspectiva.

Estanqueiro, A. (2008). Aprender a Estudar (13 ed.). Lisboa: Texto Editores.

Fonseca, H. (2005). Compreender os adolescentes- Um desafio para pais e educadores (4 ed.). Lisboa: Presença

Formiga, N. S., & Dias, P. S. (2002). Correlatos entre hábitos de lazer e os indicadores do rendimento escolar. Psicologia. Retrieved 15/10/2014, 2014, from www.psicologia.com.pt

Formiga, N. S., Ayroza, I., & Dias, L. (2005). Escala das atividades de hábitos de lazer: construção e validação em jovens. Psic: revista da Vetor Editora, 6, 71-79.

Guedes, M. G. T. B. (2013). As atividades de enriquecimento curricular e a pedagogia do lazer. Projeto de investigação. (Mestrado), Instituto Politécnico do Porto, Porto.

Henriques, P. C. M. (2009). Imagem corporal autoconceito e rendimento escolar nos pré-adolescentes. (Mestre), Universidade de Aveiro, Aveiro.

Marques, A., Silva, B. D., & Marques, N. (2011). A Influência dos Vídeo Jogos no Rendimento Escolar dos Alunos: uma experiência no 2º e 3º ciclo do ensino básico. Educação, Formação e Tecnologias, 4(1), 17-27.

Matias, N. C. F. (2009), Escolas de tempo integral e atividades extracurriculares: universos à espera da Psicologia brasileira. Psicologia em Revista, 15(3), 120-139.

Matos, M.G.,& Equipa do Projecto Aventura Social e Saúde (2003). A saúde dos adolescentes portugueses (Quatro anos depois). Lisboa: Edições Faculdade de Motricidade Humana, PEPT&CMDT.

Matos, M. G., Simões, C., Tomé, G., Camacho, I., Fereira, M., Ramiro, L., . . . & Equipa Aventura Social (2012). A saúde dos Adolescentes Portugueses . Relatório do estudo HBSC 2010. Lisboa: Centro de Malária e Outras Doenças Tropicais /IHMT/UNL e FMH/ Universidade Técnica de Lisboa

Matos, MG; Gaspar, T; Ferreira, M & Equipa Aventura Social (2013): Aventura Social no CED: Intervenção numa Comunidade Educativa. Lisboa: FMH, CMDT, CPL e CEDNSC.

Nunes, J (2014), Padrão de atividade física e informal das crianças do 1º ciclo do concelho de Castelo Branco e a sua importância no controle do excesso de peso. (Mestrado), Instituto Politécnico de Santarém, Escola Superior de Desporto de Rio Maior, Rio Maior.

Olvera, S. G., & Moya, G. S. M. (2012). Análisis teórico sobre el concepto de rendimiento escolar y la influencia de factores socioculturales. Revista Iberoamericana para la investigación y el desarollo educativo, 9, 1-21.

Pastor, Y., Valcárcel, P., & García-Merita, M. (2002). La escuela y el tiempo libre en la adolescencia temprana. In I. Balaguer (Ed.), Estilos de vida en la adolescencia (pp. 159-182). Valencia: Promolibro.

Portugal. Ministério da Saúde. Direção Geral da Saúde (2015). Programa Nacional da Saúde Escolar. Lisboa: DGS, 105p. ISBN: 978-972-675-227-1.

Requixa, R. (1980). As dimensões do lazer. Revista brasileira de Educação Física e Desporto. (45), 54-76.

Sá, E. M. M. (2012). Habilidades Sociais, Bem -Estar psicológico e Rendimento Escolar. (Doutoramento), Universidade de Aveiro, Aveiro.

Sampieri, R., Collado, C., & Lucio, P. (2003). Metodologia de la investigación. México: McGraw-Hill.

Sanchez-Serrano, J. S. C. (2001). El rendimiento escolar y sus contextos. Revista Complutence de Educacion, 12(1), 15-80.

Silva, B., Araújo, F., Junior, J., Vital, R., & Oliveira, R. (2012). Uma visão dos pais quanto ao rendimento de escolares do ensino fundamental participantes de atividades extra-escolares. EFDeportes.com, 15(166). http://www.efdeportes.com/efd166/uma-visao-dos-pais-quanto-ao-rendimento.htm




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2016.n2.v1.581 Statistics: Resumen : 256 views. PDF (Português (Portugal)) : 130 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2016 Leonor Pestana, João Duarte, Emília Coutinho, Cláudia Chaves, Paula Nelas, Odete Amaral

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877