Valores e crenças sobre sexualidade, maternidade e aborto

Paula Alexandra Nelas, Cláudia Chaves, Emília Coutinho, Odete Amaral

Resumen


Enquadramento: Os valores e as crenças dos adolescentes e jovens adultos sobre a sexualidade, maternidade e aborto são determinados por uma multiplicidade de fatores de natureza individual e de ordem sociocultural.

Objetivos: Analisar se as variáveis sociodemográficas afectivas, sexuais e reprodutivas influenciam os valores e crenças sobre a sexualidade, maternidade e aborto nos estudantes do ensino superior.

Metodologia: Estudo quantitativo, descritivo-correlacional e transversal, com uma amostra de 641 estudantes (idade média de 20.62, dp± 2.145 anos), maioritariamente feminina (64.9%), O protocolo de investigação foi o questionário que permitiu caracterizar a amostra sociodemográfica, afetiva, reprodutiva e sexualmente. Inclui ainda a escala de Valores e Crenças sobre Sexualidade, Maternidade/Paternidade e Aborto (Sereno, Leal & Maroco, 2009).

Resultados: Os estudantes do sexo masculino manifestam mais crenças em termos de maternidade, reprodução. As estudantes revelam mais crenças em relação à afetividade, aborto e prazer. Os residentes em meio urbano manifestam mais crenças em relação à maternidade. Os residentes em meio rural têm mais valores e crenças face à reprodução, aborto. Os estudantes a frequentarem o 2.º ano manifestaram mais valores e crenças face à maternidade e reprodução; os do 1º ano pontuaram mais nos valores e crenças em relação à afetividade e no prazer; os do 3.º ano possuem mais valores e crenças perante o aborto. Os estudantes que namoram e que já iniciaram a vida sexual pontuaram mais em todas as dimensões, com destaque para os valores e crenças face ao prazer. Os que não utilizam algum método anticoncetivo apresentam valores mais elevados em relação à maternidade, reprodução, aborto e valores e crenças na globalidade, enquanto os que utilizam
algum método contracetivo pontuaram mais na afetividade e no prazer.

Conclusão: Os resultados sugerem necessidade de debater as questões relativas à maternidade, paternidade, aborto e sexualidade com jovens adultos, em contexto de ensino superior, no sentido de os capacitar para a tomada de decisão informada, contribuindo desta forma para a promoção da saúde sexual e reprodutiva.


Palabras clave


valores; crenças; sexualidade; maternidade; aborto; estudantes do ensino superior

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Antunes, M. T. C. (2003). Comportamentos e atitudes sexuais de estudantes do ensino superior: influência de factores individuais e familiares. (Doutoramento), Universidade da Extremadura, Badajoz.

Cláudia, A., Barreto, M., Almeida, I. S., Ribeiro, I. B., Fernanda, K., & Tavares, A. (2010). Paternidade na Adolescência: tendências da produção científica. Adolescência & Saúde, 7(2), 54-59.

Heilborn, M. L. (2006). Experiências da sexualidade, reprodução e trajetórias biográfi cas juvenis. In M. L. Heilborn, E. M. L. Aquino, M. Bozon & D. R. Knauth (Eds.), O aprendizado da sexualidade: reprodução e trajetórias sociais de jovens brasileiros (pp. 30-59). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz/Editora Garamond.

Matos, M. G., Reis, M., Ramiro, L., & Equipa Aventura Social. (2012). A Saúde Sexual e Reprodutiva dos Estudantes do Ensino Superior, Relatório do Estudo - Dados Nacionais 2010. Lisboa: Centro de Malária e Doenças Tropicais/Faculdade de Motricidade Humana. Universidade Técnica de Lisboa.

Nelas, P., Ferreira, M., Silva, C., Duarte, J., & Chaves, C. (2011). Sexual education in schools: the impact of participatory and reflective methodologies. European Journal of Public Health, 21(Supplement 1), 71.

Nodin, N. (2000). Os jovens portugueses e a sexualidade no final do século XX Sexualidade & planeamento familiar(25/26 ), 10-15.

Pacheco, N. d. S. P. N. (2012). A sexualidade dos jovens estudantes universitários portugueses. (Mestrado), Universidade da Beira Interior, Covilhã.

Patias, N. D., Fiorin, P. C., Lima, L. S., & Dias, A. C. G. (2014). O fenômeno da parentalidade durante a adolescência: reflexões sobre relações de gênero. Revista da SPAGESP Sociedade de Psicoterapias Analíticas Grupais do Estado de São Paulo, 15(2), 45-62.

Pina, B. (2016). A Atitude do enfermeiro relativamente à sexualidade do adolescente. (Mestrado), Instituto Politécnico da Guarda.

Piscalho, I., & Leal, I. (2002). Promoção e educação para a saúde: Educação da sexualidade nas escolas - Um projecto de investigação-acção com adolescentes que frequentam o 10º ano de escolaridade. Paper presented at the 4º Congresso de Psicologia da Saúde: A Saúde numa Perspectiva de Ciclo de Vida, Lisboa.

Reis, M., & Matos, M. G. (2008). Comportamentos sexuais e influência dos diferentes agentes de socialização na educação sexual dos jovens universitários. Sexualidade & planeamento familiar(48/49), 22-28.

Rodrigues, C. M. S. (2014). A Educação para a Saúde com Alunos do 3.º CEB e a Mediação entre Pais e Filhos numa Escola Secundária. (Mestrado), Universidade do Minho, Braga.

Sereno, S., Leal, I., & Maroco, J. (2009). Construção e validação de um questionário de valores e crenças sobre sexualidade, maternidade e aborto. Psicologia, Saúde & Doenças, 10(2), 193-204.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2016.n2.v1.578 Statistics: Resumen : 336 views. PDF (Português (Portugal)) : 171 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2016 Paula Alexandra Nelas, Cláudia Chaves, Emília Coutinho, Odete Amaral

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877