Identificação dos principais fatores determinantes do envelhecimento ativo na população idosa do distrito de castelo branco, portugal

Carlos Manuel Leitão Maia, Florencio Vicente Castro, António Manuel Godinho da Fonseca

Resumen


Conciliar a longevidade com uma vida autónoma e independente constitui um importante objetivo ligado ao envelhecimento da população. Isso mesmo foi assumido pela OMS (2002) ao considerar o envelhecimento ativo como o principal objetivo das políticas direcionadas para os idosos. Partindo do conceito de envelhecimento ativo (EA) utilizado pela OMS foi analisada a funcionalidade das pessoas idosas, a sua relação com os determinantes do envelhecimento ativo e construído um modelo de envelhecimento ativo para uma amostra de idosos residentes na comunidade. Métodos: foram entrevistadas 306 pessoas idosas residentes na comunidade, através de um protocolo de avaliação, para analisar os determinantes do envelhecimento ativo. Resultados: o modelo de Envelhecimento Ativo para a população do distrito de Castelo Branco, é constituído por 6 fatores: componente psicológica, saúde subjetiva, relações familiares, funcionalidade, satisfação com os serviços e relações com amigos, explicando 65,9% da variância total: Conclusão: a maioria dos elementos revela um elevado grau de funcionalidade, o que traduz a independência na realização de grande parte das atividades da vida diária. Apresentam maior nível de dependência, em todas as componentes, os indivíduos mais idosos. A principal componente do modelo de envelhecimento ativo é a componente psicológica, explicando 30,9% da variância total.


Palabras clave


envelhecimento ativo; qualidade de vida; funcionalidade; idosos

Texto completo:

PDF

Referencias


Almeida, H. (2014). A difícil relação entre o envelhecimento biológico e a doença. In A. M. Fonseca (Coord.), Envelhecimento, saúde e doença. Novos desafios para a prestação de cuidados a idosos (pp.63-92). Lisboa: Coisas de Ler.

Batistoni, S., Neri, A., & Cupertino, A. (2010). Medidas prospectivas de sintomas depressivos entre idosos residentes na comunidade. Revista de Saúde Pública, 44, 1137-1143.

doi:10.1590/S0034-89102010000600020

Botelho, A. (2014). Envelhecimento e funcionalidade. In A.M. Fonseca (Coord.), Envelhecimento, saúde e doença. Novos desafios para a prestação de cuidados a idosos (pp.31-62). Lisboa: Coisas de Ler.

Carstensen, L., Turan, B., Scheibe, S., Ram, N., Ersner-Hershfield, H., Samanez-Larkin, G., Brooks, K.P., Nesselroade, J.R. (2011). Emotional experience improves with age: Evidence based on over

years of experience sampling. Psychology and Aging, 26 (1), 21-33.

Depp, C.A., Jeste, D.V. (2009). Definitions and predictors of successful aging: A comprehensive review of larger quantitative studies. American Journal of Geriatric Psychiatry, 14, 6-20.

EC - European Commission (2013). Report on health inequalities in the European Union. Brussels: European Commission.

Erwin, T., Kuipera, R., Chorusa, A., Hopman-Rocka, M. (2013). Prevention of onset and progression of basic ADL disability by physical activity in community dwelling older adults: A meta-analysis.

Ageing Research Reviews, 12, 329-338.

Eurostat Yearbook (2014) (http://ec.europa.eu/eurostat/documents/3217494/5785629/KS-HA-14-001-EN.PDF)

Fernandes, A. (2014). (R)evolução demográfica, saúde e doença. In A.M. Fonseca (Coord), Envelhecimento, saúde e doença. Novos desafios para a prestação de cuidados a idosos (p.13-18). Lisboa: Coisas de Ler.

Fernandes, A.A., Perelman, J., Mateus, C. (2009). Health and health care in Portugal: Does gender matter? Lisboa: Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge.

Fernández-Ballesteros, R. (Dir.) (2000). Gerontologia Social. Madrid: Pirámide.

Fernández-Ballesteros, R. (2002). Vivir con vitalidad. Madrid: Pirámide.

Fernández-Ballesteros, R., Kruse, A., Zamarron, M.D., Caprara, M. (2007). Quality of life, life satisfaction and positive aging. In R. Fernández-Ballesteros (Org), GeroPsychology: European perspectives for an aging world (p.196-223). Göttingen: Hogrefe & Huber Publishers.

Ferreira, P., Rodrigues, R., Nogueira, D. (2006). Avaliação multidimensional em idosos. Coimbra: Mar da Palavra.

Ferreira, P.M. (2011). Envelhecimento activo e relações intergeracionais. In Anais do XV Congresso Brasileiro de Sociologia.

Fonseca, A.M. (2006). O envelhecimento: Uma abordagem psicológica (2ªed). Lisboa: Universidade Católica Editora.

Fonseca, A.M. (2012). Desenvolvimento psicológico e processos de transição-adaptação no decurso do envelhecimento. In C. Paúl & O. Ribeiro (Org), Manual de gerontologia (p.95-106). Lisboa: LIDEL.

Fonseca, A.M. (2014). Envelhecimento, saúde e bem-estar psicológico. In A.M. Fonseca (Coord.), Envelhecimento, saúde e doença. Novos desafios para a prestação de cuidados a idosos (p.153-178). Lisboa: Coisas de Ler.

Fonseca, A.M. (2015, no prelo). Fundamentos psicológicos para um envelhecimento activo. In Vários, Envelhecer e aprender. Leiria: Instituto Politécnico de Leiria.

Fonseca, A.M., Paúl, C., Martin, I., Amado, J. (2005). Condição psicossocial de idosos rurais numa aldeia do interior de Portugal. In C. Paúl e A.M. Fonseca (Coord.), Envelhecer em Portugal. Psicologia, saúde e prestação de cuidados, p.97-108. Lisboa: CLIMEPSI Editores.

Fonseca, A.M., Paúl, C., Martín, I. (2008). Life satisfaction and quality of life in Portuguese old people living in the community. Portuguese Journal of Social Science, 7, 2, 87-102.

Fox, M.T., Sidani, S., Persaud, M., Tregunno, D., Maimets, I., Brooks, D., O’Brien, K. (2013). Acute care for elders components of acute geriatric unit care: Systematic descriptive review. Journal of the American Geriatric Society, 61 (6), 939-946.

Freitas, P. (2011). Solidão em Idosos - percepção em função da rede social. II Ciclo em Gerontologia Social Aplicada. Universidade Católica Portuguesa

Gill, T.M., Gahbauer, E.A., Han, L., Allore, H.G. (2010). Trajectories of disability in the last year of life. New England Journal of Medicine, 362 (13), 1173-1180.

Gonçalves, D. (2014). Cuidados psicológicos: A depressão em idosos. In A.M. Fonseca (Coord.), Envelhecimento, saúde e doença. Novos desafios para a prestação de cuidados a idosos (p.263- 290). Lisboa: Coisas de Ler.

Hair, J. F., Sarstedt, M., Ringle, C. M., & Mena, J. A. (2012). An assessment of the use of partial least squares structural equation modeling in marketing research. Journal of the Academy of Marketing Science, 40 (3), 414-433.

Henseler, J., Ringle, C. M., & Sinkovics, R. R. (2009). The use of partial least squares path modeling in international marketing. Advances in International Marketing, 20, 277–320.

INE (2012). Censos - Resultados definitivos. Portugal – 2011. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística.

Lawton, M.P., Brody, E.M. (1969). Assessment of older people: Self-maintaining and instrumental activities of daily living. Gerontologist, 9, 179-186.

Letra, M., Martín, I. (2010). Estatísticas de equipamentos sociais de apoio à Terceira Idade em Portugal - 2010. Porto: UNIFAI.

Lubben, J. (2006). Performance of an abbreviated version of the Lubben Social Network Scale. Gerontologist, 46 (4), 503-513.

Lupien, S., Wan, N. (2004). Successful ageing: From cell to self. Philosophical Transactions of the Royal Society of London B. Biological Sciences, 359 (1449), 1413-1426.

Mahoney, F.I., Barthel, D.W. (1965). Functional evaluation: The Barthel Index. Maryland State Medical Journal, 14, 61-65.

Marques, S. (2011). Discriminação da terceira idade. Lisboa: Relógio D’Água Editores.

Marques, S., Lima, M.L. (2010). Idadismo e a construção social da idade ou as razões psicossociais para o sucesso dos anti-rugas, do botox e da tinta para o cabelo. In-Mind_Português, 1, 1, 13-21.

Morley, J., Vellas, B., Kan, A., Anker, S., Bauer, J., Bernabei, R., Cesari, M., Chumlea, W., Doehner, W., Evans, J., Fried, L., Guralnik, J., Katz, P., Malmstrom, T., McCarter, R., Robledo, L., Rockwood, K., Haehling, S., Vandewoude, M., Walston, J. (2013). Frailty consensus: A call to action. Journal of the American Medical Directors Association, 14, 392-397.

Nikolova, R., Demers, L., Béland, F., Giroux, F. (2011). Transitions in the functional status of disabled community-living older adults over a 3-year follow-up period. Archives of Gerontology and Geriatrics, 52, 12-17.

Nogueira, S., Ribeiro, R., Rosado, L., Franceschini, S., Ribeiro, A., Pereira, E. (2010) Fatores determinantes da capacidade funcional em idosos longevos. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos (SP), v. 14 (4): 322-329

Nunes, M., Ribeiro, R., Rosado, L., Franchescini, S. (2009). Influência das características sociodemográficas e epidemiológicas na capacidade funcional de idosos residentes em Ubá, Minas Gerais. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos (SP), v. 3 (5): 376-382

Ocampo, J. (2010). Self-rated health: Importance of use in elderly adults. Colombia Médica, 41, 275-289

Olshansky, S., Goldman, D., Zheng, Y., Rowe, J. (2009). Aging in America in the Twenty-first Century: Demographic Forecasts from the MacArthur Foundation Research Network on an Aging Society. Milbank Quarterly, 87 (4), 842-862.

Paúl, C. (2014). Envelhecimento e prestação de cuidados: Diferentes necessidades, diferentes desafios. In A.M. Fonseca (Coord.), Envelhecimento, saúde e doença. Novos desafios para a prestação de cuidados a idosos (p.353-367). Lisboa: Coisas de Ler.

Paúl, C., Fonseca, A.M., Ribeiro, O. (2008, Sept.). Protocol of Assessment of Active Ageing (P3A). Proceedings of the Annual Conference of the British Society of Gerontology – Sustainable Futures in an Ageing World. Bristol.

Paúl, C., Ribeiro, O., Teixeira, L. (2012). Active Ageing: An Empirical Approach to the WHO Model. Current Gerontology and Geriatrics Research. 1, 1-10.

Pimentel, A. (2014). Influência da saúde funcional subjetiva no envelhecimento bem-sucedido em idosos institucionalizados e comunitários. (Tese de Doutoramento). Universidade de Évora

Pruchno, R. A., Wilson-Genderson, M., Rose, M., & Cartwright, F. (2010). Successful aging: Early influences and contemporary characteristics. The Gerontologist, 50, 821–833.

Reis, M. (2011). Da incapacidade à actividade: o desafio do envelhecimento. Vista sobre a população da Região Autónoma da Madeira (Tese de Doutoramento em Ciências de Enfermagem). Universidade do Porto

Resnick, B., Gwyther, L., Roberto, K. (2011). Resilience in aging: Concepts, research, and outcomes. New York: Springer.

Ribeiro, O., Paúl, C. (2011). Manual de envelhecimento activo. Lisboa: LIDEL.

Richardson, S., Karunananthan, S., Bergman, H. (2011). I May Be Frail But I Ain’t No Failure. Canadian Geriatric Journal, 14, 1, 24-28.

Ringle, C. M., Wende, S., and Becker, J.-M. (2015). “SmartPLS 3.” Boenningstedt: SmartPLS GmbH, http://www.smartpls.com.

Silva, J., Smith-Menezes, A., Tribess, Rómo-Perez, V., Júnior, J. (2012) Prevalência e fatores associados à percepção negativa da saúde em pessoas idosas no Brasil. Rev Bras Epidemiol; 15(1): 49-62

Taekema, D., Gussekloo, J., Westendorp, R., Craen, A., Maier, A. (2012). Predicting survival in oldest old people. The American Journal of Medicine. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.amjmed. 2012.01.034

Troutman, M.M., Nies, M.A., Small, S.S., Bates, A.A. (2011). The development and testing of an instrument to measure successful aging. Research Gerontological Nursing, 4, 3, 221-232.

Walker A. & Maltby, T. 2012 Active ageing: A strategic policy solution to demographic ageing in the European Union. International Journal of Social Welfare. DOI: 10.1111/j.1468-2397.2012.00871.x

WHO (2002). Active ageing: A policy framework. Genève: World Health Organization.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2015.n2.v1.322 Statistics: Resumen : 607 views. PDF : 221 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2015 Carlos Manuel Leitão Maia, Florencio Vicente Castro, António Manuel Godinho da Fonseca

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877