Os primeiros meses na dança relacional mãe-bebé(s): desafios decorrentes da situação gemelar

Sofia Veiga, Ana Bertão, Madalena Alarcão

Resumen


É decorrente das competências percetivas e relacionais da mãe e do bebé, e da sua dança relacional, que o comportamento de vinculação se vai gradualmente desenvolvendo; e é da qualidade desta dança relacional que dependerá, a posteriori, o solo individual e a articulação de dois desenvolvimentos interligados, mas independentes.
Ora, no caso das mães gemelares, estas têm de estabelecer relações individuais com duas ou mais crianças, com a mesma idade, tendo em conta as suas necessidades idênticas, assim como as suas distintas personalidades, necessidades e padrões de interação.
A pesquisa que se apresenta procurou investigar a existência de uma relação, nos seis primeiros meses de vida, entre o tipo de ligação vinculativa mãe-bebés gémeos e a diferenciação que a mãe faz dos mesmos.
Em termos de procedimentos, foram realizadas três entrevistas semi diretivas a quarenta mães gemelares, de tipo clínico, uma após o parto e as outras aos três e aos seis meses. Para a análise dos dados, optou-se por uma metodologia quantitativa, utilizando uma análise correlacional das variáveis.
A análise realizada concluiu sobre a não existência de uma relação clara entre as duas variáveis. Não obstante, a qualidade da relação mãe-bebés parece ser afetada por variáveis como: a vivência materna do parto relativamente a si e aos bebés; as complicações clínicas durante o parto; a primeira imagem materna dos bebés reais
e a estadia dos bebés na incubadora; a capacidade de a mãe integrar o bebé real no bebé imaginário; a perceção materna das (des)vantagens da situação gemelar e da sua competência para lidar adequadamente com ambas as crianças e com cada uma, em particular. Compreende-se, assim, a importância de as mães gemelares serem apoiadas, particularmente no período pós-parto, já que têm de enfrentar uma multiplicidade de desafios que podem afetar os processos de vinculação e de separação-individuação.


Palabras clave


vinculação; separação-individuação; díade mãe-gémeos

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Anderson, B., & Anderson, A. (1987). Assessing families with problems attaching to twin infants. In M. Leahey & L. Wright (Eds.), Families and psychosocial problems (pp. 64-77). Pennsylvania: Aprenghouse Publishers.

Anderson, B., & Anderson, A. (1990). Toward a substantive theory of mother-twin attachment. Maternal Child Nursing, 15(6), 373-377.

Andrade, L., Martins, M., Angelo, M., & Martinho, J. (2014a). A família na vivência da gemelaridade – Revisão sistemática. Texto & Contexto Enfermagem, 23(3), 758-66.

Andrade, L., Martins, M., Angelo, M., & Martinho, J. (2014b). A saúde mental na parentalidade de filhos gémeos – Revisão da literatura. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, Especial 1, 109-116.

Bakeman, R., & Brown, J., (1977). Early interaction: consequences for social and mental development at three

years. Confrontations Psychiatriques, 16, 83-124.

Blondel, B. (2012). Augmentation des naissances gémellaires et conséquences sur la santé. Journal de Gynécologie Obstétrique et Biologie de la Reproduction, 38(8S1), 7-17.

Bryan, E. (2002). Educating families, before, during and after multiple birth. Seminars in Neonatologie, 7(3), 241-6.

Charlemain, E., & Garel, M. (2009). Difficultés psychologiques des mères d’enfants multiples: de la grosssesse aux premières années. In M. Dehan & D. Lacombe (Eds.), Les jumeaux et leur pédiatre (s/p). Paris: Doin Editeurs.

Choi, Y., Bishai, D., & Minkovitz, C. (2009). Multiple birth are a risk factor for postpartum maternal depressive symptoms. Pediatrics, 123(4), 1147-1154.

Colpin, H., Munter, A., & Nys, V. (2000). Pre and postnatal determinants of parenting stress in mothers of one year-old twins. Marriage Family Review, 30(1), 99-107.

David, D., Azevedo, E., Russi, E., Berthoud, C., & Oliveira, A. (2000). Tríade de contato íntimo: Apego entre mãe e filhos gêmeos. Revista Biociência, 6(1), 7-63.

Dias Cordeiro (1994). A saúde mental e a vida (3ª ed.). Lisboa: Salamandra (obra original publicada em 1982).

Figueiredo, B. (1992). Contextos de educação e desenvolvimento: A interacção mãe-bébé (Dissertação das Provas de Aptidão Científica e Capacidade Pedagógica não publicada). Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Franco, V. (Org.) (2016). Contributos psicodinâmicos para a intervenção precoce na infância. Évora: Edições Aloendro.

Garel, M., Charlemaine, E., & Blondel, B. (2006). Conséquences psychologiques des naissances multiples. Gynécologie Obstétrique & Fertilité, 34(11), 1058-63.

Glazebrook, C., Sheard, C., Cox, S., Oates, M., & Ndukwe, G. (2004). Parenting stress in first-time mothers of twins and triplets conceived after in vitro fertilization. Fertility and Sterility, 81(3), 505-511.

Lester, B., Hoffman, J., & Brazelton, T. (1985). The rythmic structure of mother-infant interaction in term and preterm infants. Child Psychology, 56, 15-27.

Manso, P., Vaz, A., Taborda, A., & Silva, I. (2011). Coronocidade e complicações perinatais na gravidez gemelar. Casuística de 10 anos. Acta Médica Portuguesa, 24, 695-698.

Robin, M., & Josse, D. (1987). Quelques aspects de la relation mère-enfant à la suite d’une naissance gémellaire. Neuropsychiatrie de l’Enfance et de l’Adolescence, 35(8-9), 369-377.

Rodrigues, D., Fernandes, A., Silva, R., & Rodrigues, M. (2006). O domicílio como espaço educativo para o autocuidado de puérperas: binômio mãe-filho. Texto & Contexto Enferm, 15(2), 77-86.

Rodrigues, C., Branco, M., Ferreira, I., Nordeste, A., Fonseca, M., Taborda, A., Silva, I., & Almeida, M. (2005). Epidemiologia da Gestação Múltipla – Casuística de 15 anos. Acta Médica Portuguesa, 18, 107-111.

Siddiqui, F., & McEwan, A. (2007). Twins. Obstetric, Gynaecology and Reproductive Medicine, 17(10), 289-296.

Silva, J., Cecatti, J., Pires, H., Passini Jr, E., Parpinelli, E., & Pereira, B. (2003). Assistência à gestão e parto gemelar. Revista Ciências Médicas, 12(2), 173-183.

Souza, L., Madi, J., Araújo, B., Zatti, H., Madi, S., Lorencetti, J., & Marcon, N. (2010). Características e resultados perinatais das gestações gemelares (1998-2007). Revista AMRIGS, 53(2), 150-155.

Tourrette, C., Robin, M., & Josse, D. (1988). Les pratiques éducatives des mères de jumeaux: Une investigation par l’analyse factorielle des correspondences. Année Psychologique, 88(4), 545-561.

Van der Zalm, J. (1995). Accommodating a twin pregnancy: maternal processes. Acta Geneticae Medicae et Gemellelogiae, 44, 117-133.

Veiga, S. (1997). Vinculação e separação-individuação em díades mãe-bebés gémeos (Tese de Mestrado não publicada). Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2019.n2.v2.1743 Statistics: Resumen : 81 views. PDF (Português (Portugal)) : 20 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2020 Sofia Veiga, Ana Bertão, Madalena Alarcão

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877