Intervenção no ãmbito da perturbação da aprendizagem específica: uma investigação-ação

Sandra Teixeira Reis, Ana Luísa Vicente, Zélia Caçador Anastácio, Sofía Nobre, Florencio Vicente Castro

Resumen


Este artigo tem como objetivo referir uma intervenção ao nível do processamento fonológico junto de uma criança de 9 anos de idade e que frequentou o 4º ano de escolaridade do 1º Ciclo do Ensino Básico, num Agrupamento de Escolas da Zona Centro de Portugal no ano letivo 2018/2019. A escolha deste objeto de estudo, baseou-se num estudo de caso realizado pelas técnicas especializadas deste agrupamento de escolas, após o aluno ter sido sinalizado pela Professora Titular de Turma como apresentando uma possível “dislexia”, devido a dificuldades manifestadas no decorrer das aulas, nomeadamente ao nível da leitura e da escrita. Para a inicialização da avaliação neste estudo de caso, aplicaram-se instrumentos de recolha de dados que obedeceram a uma metodologia qualitativa (entrevista, teste do desenho da família, consulta de materiais, Prova Exploratória de Dislexia Específica (PEDE); realização de cópia, ditado e levantamento de erros) e a uma metodologia quantitativa (Prova de reconhecimento de palavras; Test Trail Making - Subteste da Bateria de Avaliação Neuropsicológica de Coimbra (BANC); Matrizes Progressivas de Raven; Escala de inteligência de Wechsler – (WISC-III); Teste de Compreensão da Leitura. Dos resultados da avaliação, verificou-se que o aluno apresentou um Quociente Intelectual - Inteligência Normal Brilhante (Médio Alto). Contudo, manifestou dificuldades fonológicas (trocas, omissões e adições). Perante os resultados da avaliação, delineou-se um plano de intervenção que visava o cumprimento de objetivos definidos a fim de otimizar as capacidades do aluno. Concluiu-se que para atingir o sucesso é imprescindível que haja um envolvimento entre todos os intervenientes na educação da criança (escola, pais, alunos, professores, técnicos especializados) e que o trabalho seja permanentemente um trabalho de equipa.


Palabras clave


dislexia; dificuldades de aprendizagem específica; processamento fonológico; investigação- ação

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Associação Portuguesa de Dislexia, (2008). [Electronic Version]: Retirado de http://www.apdis.com/dislexia, acedido em 27/02/2008.

American Psychiatric Association (2014). DSM-V: Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais (5ª Ed. Revista). Lisboa: Climepsi Editores.

Banaschewski, T.; Ruppert, S.; Tannock, R.; Albrecht, B.; Becker, A. & Uebel, H. (2006). Colour perception in ADHD. Journal Child Psychol Psychiatry, 47(6), pp.568-572.

Barros, D. (2007). Tecnologias de la inteligência: gestión de la competencia pedagógica virtual. Madrid: Popular.

BANC. (2016). Bateria de Avaliação Neuropsicológica de Coimbra. Lisboa: Cegoc Edições.

Cadime, I., Ribeiro, I. & Viana, F. L. (2012). TCL – Teste de Compreensão da Leitura. Lisboa: Cegoc Tea Edições. Prémio Cegoc 2011.

Viana, F. L. & Ribeiro. I. (2010). PRP - Prova de Reconhecimento de Palavras. Lisboa: Cegoc Tea Edições. Prémio Cegoc 2009.

Candeias, A., Santos, M., Rebocho, M., Cortes, M., Santos, G., Chaleta, E., Gráci L.Pires, H., Dias, C. & Rodrigues, J. (2008). Improvement research through inclusive school - iris reflections about assessment and intervention with students with special educational needs. International Journal of Developmental and

Educational Psychology (INFAD), Nº 1, Vol.4, pp: 405-416.

Cohen, L., Manion, L. & Morrison, K. (2007). Research methods in education (6th Ed.). London: Routledge.

DSM V- (2013). Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais. Lisboa: Climepsi Editores.

Dias, M. & Chaves, J. (2000). Perceção visual e dificuldades de aprendizagem: um estudo com alunos do 1.º ciclo do ensino básico. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxía e Educación, Act Psicopedagogía. Vol.6, n.4. Corunha: Universidade da Corunha & Braga: Universidade do Minho, pp.389-398.

Leij, A. & Morfidi, E. (2006). Core deficits and variable differences in Dutch poor readers learning English. Journal Learn Disabilities, 39(1), pp.74-90.

Morón, M., Martín, C., López-Liria, R., Góngora, D. & Acién, F. (2008). Intervención de los padres para prevenir y mejorar la dislexia. International Journal of Developmental and Educational Psychology (INFAD), Nº 1, Vol.4, pp: 553-556.

Moura, O. (2017). Dislexia – avaliação e intervenção. ISPA Formação Avançada: Lisboa.

PORTUGAL. Decreto-Lei n.º 54/2018, Série I de 2018-07-06 - Estabelece o regime jurídico da educação inclusiva. [Electronic Version]: Retirado de https://dre.pt/home/-/dre/115652961/details/maximized, acedido em 25/09/2019.

Rebelo, J. (1993). Dificuldades da leitura e da escrita em alunos do ensino básico. Rio Tinto: ASA.

Ribeiro, A. & Baptista, A. (2006). Dislexia: compreensão, avaliação e estratégias educativas. Coimbra: Editora Quarteto.

Sim-Sim, I. (1998). Desenvolvimento da linguagem. Lisboa: Universidade Aberta.

Teles, P. (2004). Dislexia. Como identificar? Como intervir?. Revista Portuguesa de Clínica Geral, 20, pp.713-730.

Torres, R. & Fernández, P. (2001). Dislexia, disortografia e disgrafia. Lisboa: McGraw-Hill.

Vale, S., Ricardo, N., Soares-Miranda, L., Santos, R., Moreira, C. & Mota, J. (2011). Parental education and physical activity in preschool children. Research Centre in Physical Activity, Health and Leisure. Faculty of Sports – University of Porto. Portugal. [Electronic Version]: Retirado de https://recipp.ipp.pt/bitstream/10400.22/7580/1/Vale%20et%20al.,%202011%20-%20JPCH.pdf, acedido em 25/09/2019.

Viana, F. (2002). Da linguagem oral à leitura: construção e validação do teste de identificação de competências linguisticas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Willcutt, G. & Pennington, F. (2000). Psychiatric comorbidity in children and adolescents with reading disability. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 41(8), pp.1039-1048.

Zorzi, L. & Capellini, S. (2009). Dislexia e outros distúrbios de leitura e escrita: letras desafiando a aprendizagem. São José dos Campos: Pulso.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2019.n2.v2.1740 Statistics: Resumen : 40 views. PDF (Português (Portugal)) : 17 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2020 Sandra Teixeira Reis, Ana Luísa Vicente, Zélia Caçador Anastácio, Sofía Nobre, Florencio Vicente Castro

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877