Determinantes de alterações músculo-esqueléticas em adolescentes: impllicações para a prevenção

Carlos Albuquerque, Carina Almeida, Rosa Martins, Madalena Cunha

Resumen


Introdução: O tendencial aumento da incidência e prevalência de alterações músculo-esqueléticas tem sido encarado como algo preocupante, sobretudo na faixa etária da adolescência, dada a sua evolução para a cronicidade. Neste contexto, este estudo tem como principais objectivos: avaliar a prevalência das alterações músculo-esqueléticas em adolescentes; e identificar um conjunto de determinantes sociodemográficos, antropométricos e circunstanciais associados a essas mesmas alterações músculo esqueléticas. Métodos: Estudo de natureza quantitativa, transversal e descritivo correlacional, com recurso a uma amostra probabilística aleatória simples, composta por 200 adolescentes que frequentam três escolas do concelho de Viseu - Portugal, na sua maioria do sexo feminino (52%), residentes em meio rural (70,5%) e com uma média de idades de 12,54 anos (Dp=1,76). O instrumento de colheita de dados integrou 4 secções: caracterização sócio-demográfica, antropométrica, circunstancial; e avaliação das perturbações músculo-esqueléticas, com recurso ao Questionário Nórdico Músculo-Esquelético. Resultados: os adolescentes evidenciam alterações músculo-esqueléticas, reportadas aos últimos 12 meses, na sua maioria a nível do pescoço (35%), seguido do ombro (27,5%), tornozelo (26%), zona lombar (22,5%), joelhos (19,5%), punho/mão (13%), anca (11%), tórax (10,5%) e, finalmente, cotovelo (4,5%). Como determinantes das perturbações músculo-esqueléticas constatou-se que são os adolescentes que frequentam o 7º ano, do género masculino, que praticam desporto, com má qualidade de sono, que dormem em colchões duros, que têm peso da mochila superior a 10% do peso corporal, que consideram o mobiliário escolar desconfortável e com postura desadequada (posição da coluna curvada, longe da cadeira e posição dos pés pendurados/esticados) que apresentam uma maior incidência de alterações músculo-esqueléticas. Já o efeito da idade, local de residência, estabelecimento de ensino, antecedentes patológicos, uso de cacifo, meio de transporte casa-escola e escola-casa, método de transporte do material escolar e tempo gasto no transporte do material escolar não se revelou estatisticamente significativo. Conclusão: Este estudo evidencia efectivamente de que as perturbações músculo-esqueléticas estão presentes num grupo muito significativo de adolescentes. Facto que permite constatar a necessidade de desenvolver estratégias de prevenção na área da saúde escolar, onde a intervenção dos profissionais de saúde em articulação com os da educação pode ser determinante.


Palabras clave


adolescentes; perturbações músculo-esqueléticas; prevenção; promoção da saúde

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Almeida, A. J. C. (2013). Perturbações músculo-esqueléticas no adolescente (Dissertação de Mestrado, Escola Superior de Saúde de Viseu, Instituto Politécnico de Viseu). Acedido em http://hdl.handle.net/10400.19/2055.

Amaral, M. O. P. (2013). Epidemiologia da insónia em adolescentes: Do diagnóstico de situação à intervenção. (Dissertação de Doutoramento, Escola Nacional de Saúde Pública, Universidade Nova de Lisboa). Acedido em https://run.unl.pt/bitstream/10362/14182/1/RUN%20-%20Tese%20de%20Doutoramento%20-%20Maria%20Odete%20Amaral.pdf.

Auvinen, J. P. (2010). Neck shoulder and low back pain in adolescence. (Academic dissertation, Faculty of Medicine, University of Oulu). Acedido em http://jultika.oulu.fi/files/isbn9789514261664.pdf.

Auvinen, J. P., Tammelin, T. H, Taimela, S. P., Zitting, P. J., Marjo-Riitta, J.,Taanila, A. M., & Karppinen, J. I. (2010). Is insufficient quantity and quality of sleep a risk factor for neck, shoulder and low back pain? A longitudinal study among adolescents. Eur Spine J, 19, 641–649. Acedido em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2899838/pdf/586_2009_Article_1215.pd

Borges, S. A., Mesquita, C. C., & Sousa, A. (2010). Prevalência de dor lombar não específica em alunos da Escola E. B. 2/3 de Santa Marinha. In: 1.º Congresso Internacional de Saúde Gaia-Porto.

Gaia-Porto. Acedido em http://recipp.ipp.pt/bitstream/10400.22/1287/1/COM_SBorges_2010.pdf.

Carnide, M. F., (2006). Ergonomia escolar: Recomendações. Faculdade de motricidade Humana.

Carvalho, G. S., Ferreira, A., & Tracana, R. B. (2012). Prevenção de más posturas corporais em crianças dos 7 aos 12 anos, do litoral e do interior de Portugal. In: Atas do VIII SIEFLAS (Seminário Internacional de Educação Física, Lazer e Saúde), Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Brasil. Acedido em http://bdigital.ipg.pt/dspace/bitstream/10314/2519/1/SIEFLAS_PosturasCorporais.pdf.

Cruz, A., & Nunes, H. (2012). Prevalência e fatores de risco de dores nas costas em adolescentes. Revista de Enfermagem Referência, 3(6)I, 131-146. Acedido em https://www.researchgate.net/publication/275555033_Prevalencia_e_fatores_de_risco_de_dores_nas_costas_em_adolescentes_uma_revisao_sistematica_da_literatura.

Grimmer, K., Nyland, L. & Milanese, S. (2006). Reapeted measures of recent headache, neck and upper back pain in Australian adolescents. Cephalgia, 26 (7), 843-851. Acedido em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16776700

Noronha, T. M., & Vital, E. N. (2011). “Se as minhas costas falassem...” – Avaliação da efetividade dois anos depois. Saúde & Tecnologia, 5, 12–16. Acedido em http://recipp.ipp.pt/handle/ 10400.22/4759

Oliveira, A. (2011). Problemática associada à utilização de diferentes tipos de mochila para transporte de material escolar. (Dissertação de mestrado, Instituto Politecnico do Porto). Acedido em: http://repositorio.ipl.pt/bitstream/10400.21/155/1/st5_art2.pdf.

Paananen, M. V.,.Auvinen, J. P., Taimela, S. P., Tammelin, T. H, Kantomaa, M. T., Ebeling, H. E. … Karppinen, J. I. (2010). Psychosocial, mechanical, and metabolic factors in adolescents’ musculoskeletal pain in multiple locations: A cross-sectional study. European Journal of Pain, 14(4), 395-401. Acedido em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19640750.

Paiva, F. M. M. C, Marques, A. A. G., & Paiva, L. A. R. (2009). Prevalência as perturbações músculo-esqueléticas vertebrais na adolescência. Revista Referência, 2(11), 93-104. Acedido em http://ui.esenfc.pt/ui/index.phpmodule=rr&target=publicationDetails&pesquisa=&id_artigo= 2156&id_revista=4&id_edicao=31

Pinho, M. C., Vaz, M. P., Arezes, P. M., Campos, J. R., & Magalhães, A. B. (2013). Lesões músculoesqueléticas relacionadas com as atividades desportivas em crianças e adolescentes: Uma revisão das questões emergentes. Motricidade, 9(1), 31-49. Acedido em http://www.scielo.mec.pt/pdf/mot/v9n1/v9n1a05.pdf.

Rebolho, M. C. T., Rocha, L. E., Teixeira, L. R., & Casarotto, R. A. (2011). A prevalência de dor músculo esquelética e perceção de hábitos posturais entre estudantes do ensino fundamental. Revista de Medicina, 90(2), 68-72. São Paulo. Brasil, Acedido em http://www.revistas.usp.br/revistadc/article/viewFile/58887/61866.

Rocha, A., Correia, C., Pestana, L., Bento, M., Preto, O., & Lobão, S. (2011). Saúde escolar em construção: Que projetos? Millenium, 41, 89-113.

Rodríguez-Oviedo, P., Ravina, A. R., Pérez-Ríos, M., García, F. B., Gómez-Fernández, D., Fernández-Alonso, A. …Turiso, J. (2012). School children’s backpacks, back pain and back pathologies. Arch Dis Child, 97(8), 730-2. Acedido em https://www.researchgate.net/publication/221694160_School_children’s_backpacks_back_pain_and_back_pathologies

World Health Organization. (2003). The burden of musculoskeletal conditions at the start of the new Millennium. Geneve: WHO Scientific Group. Acedido em http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/42721/1/WHO_TRS_919.pdf.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2019.n2.v1.1705 Statistics: Resumen : 139 views. PDF (Português (Portugal)) : 54 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Carlos Albuquerque, Carina Almeida, Rosa Martins, Madalena Cunha

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877