Estudo exploratório dos níveis de satisfação com a imagem corporal em adolescentes - pensando no direito ao "bem-estar"

Isabel Cabrita Condessa, Zélia Caçador Anastácio

Resumen


O nosso trabalho visa o propósito de pensar o “bem-estar” da infância à idade adulta, onde a escolaridade obrigatória tem um papel fulcral. Realcemos que em pleno século XXI, a Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia define nos artigos 24.º e 32.º os direitos das crianças e jovens, devendo-lhes ser garantida proteção e cuidados necessários ao seu bem-estar e contra todas as atividades suscetíveis de prejudicar a sua segurança, saúde ou desenvolvimento físico, mental, moral ou social.
Com este estudo, de natureza exploratória pretendemos: 1) aferir um novo instrumento de pesquisa – questionário em preparação sobre “Níveis de satisfação de adolescentes – Imagem Corporal e alguns Estilos de Vida e Comportamentos”; 2) descrever e comparar alguns dos resultados obtidos pela aplicação a uma pequena amostra (n=29) de adolescentes (idade média: 19.6 anos; todos do sexo feminino).
A aplicação do questionário, respeitando um consentimento informado, seguiu um protocolo de estudo piloto e alguns dados foram analisados recorrendo ao programa SPSS (Versão 25.0) e utilizando estatística descritiva, de tendência central e comparativa não paramétrica.
Da análise dos dados podemos tirar algumas ilações: 1) o questionário testado, salvo algumas questões de formato, mostrou-se ajustado quanto à linguagem utilizada e à significância das questões efetuadas; 2) este pequeno estudo exploratório revelou ser ajustado ao propósito inicial e dele podemos focar alguns resultados interessantes: a) quanto ao perfil de características físicas deparámo-nos com adolescentes que após um percurso regular de estudante ativo se apresentam em média em “sobrepeso”, tendo uma boa consciência disso e sentindo necessidade de “alterar” o seu perfil 37.9% mencionaram “em geral não estou satisfeita comigo”, nem com diferentes aspetos e partes do corpo, sendo o perímetro abdominal um problema; b) consideram muito importante a Atividade Física para o seu “bem estar” (93.1%), mas a sua adesão está abaixo do desejável (baixa – 51.7%); c) sentem que a sua Imagem Corporal tem impacto na sua vida, sobretudo nas práticas físicas e artísticas, na vida relacional (amorosa e com pares) e no trabalho. Concluímos que estas adolescentes querem mudar comportamentos para atingirem um melhor “bem-estar”, mas as barreiras são ainda muitas.


Palabras clave


estudo exploratório; adolescentes; bem-estar; imagem corporal

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Amorim, R. (2007). Percepção e Satisfação com a Imagem Corporal de Crianças e Adolescentes Obesos e com Excesso de Peso. Monografia, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Anastácio, Z. (2016). Self-esteem, Assertiveness and Resilience in Adolescents Institutionalized. International Journal of Developmental and Educational Psychology. INFAD Revista de Psicología, Nº1-Vol.1, 2016. ISSN: 0214-9877, pp. 315-322

Anastácio, Z. (2013). Saúde e Desenvolvimento Adolescente: Relação entre tomada de decisão, comportamento sexual, autoestima e imagem corporal. In P. Silva, S. Souza & I. Neto (Org.). O Desenvolvimento Humano: perspetivas para o século XXI. Atividade Física e saúde, inclusão Social e Formação Profissional, Vol. 2, 149-159. São Luís do Maranhão: EDUFMA.

Anastácio, Z.C & Carvalho, G.S. (2006). Saúde na adolescência : satisfação com a imagem corporal e a auto-estima. In B.O. Pereira & G.S.Carvalho(Eds.) Actividade física, saúde e lazer : a infância e estilos de vida saudáveis”, p. 49-61. Lisboa: LIDEL - Edições Técnicas. ISBN 972-757-423-8.

Casado, S. (2011). Excesso de peso e obesidade nas crianças em idade escolar: prevalência e fatores de risco. Tese de Mestrado, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Cole T, Bellizzi M, Flegal K e Dietz W. (2000). Estabilishing a standard definition for child overweight and obesity worldwide:International Survey BMJ; 320(6), p 1240-43.

Condessa, I.C. & Anastácio, Z.C. (2016). Intervir através da educação física na coeducação realidade ou intenção? International Journal of Developmental and Educational Psycholog. INFAD Revista de Psicología, 2 (1), pp. 89-98.

Condessa, I.C. (2003). “A percepção dos alunos sobre o ambiente de aprendizagem nas aulas de Educação Física e Crenças sore o comportamento disciplinar, In I.C.Condessa, I.E.Rego & S.N.

Caldeira (Org.) “Crenças de Professores e Alunos. Um Estudo nas Escolas dos Açores”, pp:115- 134. Ponta Delgada: DREFD-RAA e DCE_UAç. D.L. 204 791/ 03.

Condessa, I.C. (2019). “Um estudo de interações de perceção e desempenho – imagem corporal, capacidade físicas e motoras – com um grupo de menin@s do 1º ciclo”. International Journal of Developmental and Educational Psychology, Revista de Psicología, Nº1 - Monográfico 4, 2019. ISSN: 0214-9877. pp:167-176.

Côrtes, M.G., Meireles, A.L., Friche, A.A.L. , Caiaffa, W.T. & Xavier, C.C. (2013). O uso de escalas de silhuetas na avaliação da satisfação corporal de adolescentes: revisão sistemática da literatura. Caderno de Saúde Pública, 29(3), pp: 427-444, mar, Rio de Janeiro.

Cunha, M.J. (2004). A Imagem Corporal. Azeitão: Autonomia 27. Direção Geral de Saúde, circular n.º 5 de 21 de fevereiro de 2006.

Direção-Geral da Saúde (2016). Programa Nacional para a Promoção da Atividade Física. Consultado em: : https://www.dgs.pt/programa-nacional-para-a-promocao-da-atvidadefisica/perguntas-e-respostas.aspx, acedido a 20 de outubro de 2019.

Durán, V.C. & Agúndez, A.M. (2013). Influencia de los factores que definen el modelo estético corporal en el bienestar de las mujeres jóvenes afectadas o no afectadas por anorexia y bulimia Saúde Soc. São Paulo, v.22, n.2, p.468-484, 2013.

Esteves, V. (2013). O esquema corporal e o desenvolvimento afetivo-sexual em adolescentes e adultos com Trissomia 21. Dissertação de Mestrado. Universidade de Lisboa, Portugal European Union Agency for Fundamental RightsHelping to make fundamental rights a reality for everyone in the European Union, consultado em: https://fra.europa.eu/pt/charterpedia/article/24-direitos-das-criancas, acedido em 13 de outubro de 2019.

Fonseca, C.C. (2008). Esquema Corporal, Imagem Corporal e Aspetos Motivacionais na Dança de Salão. Dissertação de Mestrado, Universidade de São judas Tadeu, São Paulo.

Forbes, G.; Jobe, R.; Richarson, R. (2016). Associations between having a boyfriend and the body satisfaction and self-esteem of college women: an extension of the Lin and Kulik hypothesis. Journal of Social Psychology, Philadelphia, v. 146, n. 3, p. 381-384, 2006.

Gomes, P.B, Silva, P. & Queirós, P. (2000). Equidade na Educação. Educação Física e Desporto na Escola. Lisboa: Ed. Associação Portuguesa a Mulher e o Desporto.

Kakeshita, I.S.(2004). Estudo das relações entre o Estado Nutricional, a Perceção da Imagem Corporal e o Comportamento Alimentar em adultos. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, Brasil.

Lutter, J. M., Jafee, L., Lee, V., Benyus, J., Jones, C, Johnson, V. N. & Zurek, L. (1990) The body wise woman - reliable information about physical activity and health. New York: Human Kinetics.

Marinho, S. (2014). Conhecer para agir – conceções de professores e de alunos do ensino básico sobre sexualidade e educação sexual. Tese de doutoramento, Instituto de Educação, Universidade do Minho, Braga.

Marujo, H.A., Neto, L.M. & Perloiro, M.F. (1999). Educar para o Optimismo. Lisboa: Editorial Presença.

Morais, Núbia de Souza de, Miranda, Valter Paulo Neves e Priore, Silvia Eloiza. (2018) Imagem corporal de adolescentes do sexo feminino e sua associação à composição corporal e ao comportamento sedentário. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2018, v. 23, n. 8 [Acedido 20 Outubro 2019], pp. 2693-2703. Disponível em: . ISSN 1678-4561.

Salgado, R.C. & Silva, K.R.P.S. (2018). Imagem Corporal em Adolescentes: Reflexões para a Educação Física Escolar. C&D-Revista Eletrônica da FAINOR, Vitória da Conquista, v.11, n.3, p.585-607, set./dez. 2018. Doi: 10.11602/1984-4271.2018.11.3.6.

Simas, J.P.N., Macara, A. & Melo, S.I.L. (2014). Imagem corporal e sua relação com peso e índice de massa corporal em bailarinos profissionais. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 20, 6, pp: 433-437.

Stunkard AJ, Sorensen T, Schulsinger F. (1983). Use of the Danish Adoption Register for the study of obesity and thinness. In: Kety SS, Rowland LP, Sidman RL,Matthysse SW. The genetics of neurological and psychiatric disorders, pp.115-20. New York: Raven Press;

World Health Organization (2018). Global Action Plano n Physical Activity 2018-2030: More Active People for a Healthier World. Genebra.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2019.n2.v1.1701 Statistics: Resumen : 101 views. PDF (Português (Portugal)) : 30 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Isabel Cabrita Condessa, Zélia Caçador Anastácio

URL de la licencia: This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877