Violência sexual contra crianças e adolescentes: resiliência e protagonismo na Amazônia

Joaquim Hudson de Souza Ribeiro, Susana Maria Gonçalves Coimbra, Vanessa Barbosa Romeira Leme

Resumen


A literatura internacional no que concerne à temática do abuso sexual de crianças e adolescentes tem focalizado maior atenção para os impactos negativos no desenvolvimento frente às experiências abusivas sofridas, desempenhando muitas vezes o papel de vítimas passivas. Menos investigações têm procurado identificar os fatores de proteção que podem promover a resiliência entre os/as mais jovens e, em particular, o contributo que os/as próprios/as podem dar na sua identificação e acionamento. O presente estudo tem por objetivo apresentar a experiência do Projeto Içá-Ação e Proteção (Cáritas), com o apoio do grupo Aleimar Onlus, na prevenção da violência sexual contra crianças e adolescentes na Amazônia brasileira, identificando fatores de resiliência em ações de protagonismo de adolescentes. Trata-se de um relato de experiência das atividades desenvolvidas por 1.434 adolescentes participantes de um projeto de intervenção comunitária em 19 cidades dos estados do Amazonas e Pará no período de 2016 a 2018. Em consonância com o Eixo Protagonismo Juvenil do Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual de Crianças e Adolescentes - adotado pelo Brasil, os/as adolescentes desenvolveram ações em escolas, espaços religiosos, comunidades (indígenas, tradicionais e urbanas), Conselhos e Fóruns de participação e decisão política. As conclusões dessa experiência mostraram que resiliência não é sinônimo de invulnerabilidade e a sua promoção é imperativa para um desenvolvimento mais saudável na infância e adolescência. Os  resultados indicaram que crianças e adolescentes mais do que sujeitos passivos de qualquer ação ou programa, têm que ser assumidos/as como sujeitos de direito, de participação, decisão, de autonomia e de protagonismo participativo e transformador no enfrentamento do abuso e exploração sexual.


Palabras clave


abuso sexual; resiliência; protagonismo; amazônia

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Algeri, S., Souza, L. M. (2006). Violência contra crianças e adolescentes: Um desafio no cotidiano da equipe de enfermagem. Revista Latino Americana de Enfermagem, 14(4), 625-631. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/rlae/v14n4/pt_v14n4a23.pdf

Antunes, C., & Machado, C. (2013). A elaboração narrativa no abuso sexual: O papel das vítimas enquanto protagonistas no processo de mudança. Psicologia: Revista Da Associacao Portuguesa Psicologia, 27(1), 157–180

Bazon, M. R. (2009) Estudos epidemiológicos de maus-tratos com base nas informações colhidas junto ao setor educacional. In: L. C. Williams & E. A Araújo (Orgs), Prevenção do Abuso Sexual Infantil: Um enfoque interdisciplinar. Curitiba: Juruá Editora.

Brasil. (2007a). Saúde de adolescentes e jovens. Caderneta. Retirado em 21/01/2011, de http://portal.saude.gov.br/saude/.

Brasil. (2007b). Lei nº. 8069, de 13 de julho de 1990. Retirado em 20/12/2010, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm.

Brasil (2013). Secretaria Especial de Direitos Humanos. Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Brasília, DF.

Bronfenbrenner, U., & Morris, P. (1998). The ecology of developmental processes. EM W. Damon (Series Ed.) & R. M. Lerner (Vol. Ed.), Handbook of child psychology. Vol. 1, Theoretical models of human development (pp. 993-1027). New York: John Wiley & Sons.

Bouvoir, P. (1999). Abus sexuels et résilience. In: Souffrir et se Construire (M. – P. Poipot, org.), pp. 125-161, Ramonville: Editions Érès.

Cowan, P.A., Cowan, P. C., & Schulz, M.S. (1996). Thinking about risk and resilience in families. In E. M. Hetherington & E. A. Bleachman (Eds.), Stress, coping and resilience in children and families (pp. 1-38). New Jersey: Lawrence Erlbawm Associates.

Crawford, E., Wright, M. O. and Masten, A. (2006). Resilience and spirituality in youth. In E. C. Roehlkepartain, P. E. King, L. Wagener and P. L. Benson (Eds.), The handbook of spiritual development in childhood and adolescence (pp. 355-370). Thousand Oaks, CA: Sage

Deblinger, E., Runyon, M. K., & Steer, R. A. (2014). Profiles of Personal Resiliency in Youth Who Have Experienced Physical or Sexual Abuse. Journal of Psychoeducational Assessment, 32(6), 558–566. Retrieved from http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&AuthType=ip,uid&db=eric&AN=EJ1035539〈=pt-pt&site=ehost-live&scope=site

Fernandez, C.B. (2018). Enfrentamento da exploração sexual de crianças e adolescentes no Amazonas. In: Deslandes, S.F. & Constantino, P.(Eds.) Exploração Sexual de crianças e adolescentes: interpretações plurais e modos de enfrentamento (315-349). São Paulo: UCITEC.

Gillespie, E. L., & Panagioti, M. (2019). Childhood maltreatment and adult suicidality: a comprehensive systematic review with meta-analysis. Psychological Medicine, 49(7), 1057–1078

Habigzang, L; Caminha, R.M. (2004). Abuxo sexual contra crianças e adolescentes: conceituação e intervenção clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Habigzang, L.; Damásio, B.F.; Koller, S.H.(2013) Impact evaluation of a cognitive behavioral group therapy model for sexually abused girls. Journal of Child Sexual Abuse, v. 2, pp. 173-190.

Halpern, S. C., Schuch, F. B., Scherer, J. N., Sordi, A. O., Pachado, M., Dalbosco, C., … Von Diemen,L. (2018). Child Maltreatment and Illicit Substance Abuse: A Systematic Review and Meta Analysis of Longitudinal Studies. Child Abuse Review, 27(5), 344–360.

Junqueira, M. F. P. & Deslandes, S. F. (2003). Resiliência e maus tratos à criança. Cadernos de Saúde Pública, 19(1), 227-335.

Luo, T. E. (1998). Sexual abuse trauma among Chinese survivors. Child Abuse & Neglect, 22(10), 1013–1026

Masten, A. S. (2014). Ordinary magic: Resilience in development. New York, NY, US: Guilford Press.

Miller, E. (2018). Reclaiming Gender and Power in Sexual Violence Prevention in Adolescence. Violence Against Women, 24(15), 1785–1793.

Moynihan, M., Pitcher, C., & Saewyc, E. (2018) Interventions that Foster Healing Among Sexually Exploited Children and Adolescents: A Systematic Review, Journal of Child Sexual Abuse, 27:4, 403-423.

Monteiro, M. (2004). Introducción a lapsicologíacomunitaria: desarrollo,conceptos y processos. 1ª ed. BuenosAires: Paidós.

Munist, M., Santos, H., Kotliarenco, M. A., Ojeda, E. N. S., Infante, F., & Grotberg, E. (1998). Manual de identificación e promoción de la resiliencia [Versão eletrônica]. Washington, DC: Organización Panamericana de la salud.

Narvaz, M. G. & Koller, S. H. (2004). O modelo bioecológico do desenvolvimento humano. In S. H. Koller (Ed.), Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisa e Intervenções no Brasil (pp. 51-64). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Organização Mundial da Saúde (1965). Problemas de la salud de la adolescencia. Informe de un comité de expertos de la O.M.S (Informe técnico n° 308). Genebra.

Ribeiro, J. H. S (2013). Espaços Violados: uma leitura geográfica e psicossocial da violência sexual infanto-juvenil na área urbana de Manaus (2006-2010). Manaus: UEA Edições.

Ribeiro, J.H.S.; Costa, A. A.; Paião, L. S.; Morais, N. M. & Costa, A. A. (2018)Violência sexual contra crianças e adolescentes: ideação suicida, tentativa de suicídio, automutilação e intervenção cognitivo-comportamental. In: Gutierrez, D. M. D. & Ribeiro, J. H.S (Eds.), Suicídio: diálogos interdisciplinares (pp. 313-340). Manaus: EDUA.

Sawaia, B. B. (1997). O ofício da psicologia social à luz da idéia reguladora desujeito: da eficácia da ação à estética da existência. In: Zanella, A.V. et al. (Eds.).Psicologia e práticas sociais (pp.35-56). Porto Alegre: ABRAPSOSUL.

Senna, S. R. C. M., & Dessen, M. A. (2012). Contribuições das teorias do desenvolvimento humano para a concepção contemporânea de adolescência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(1), 101-108. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/ptp/v28n1/13.pdf

Silva, R. S.; Gonçalves, M. (2015) A ocorrência de transtornos psiquiátricos em crianças e adolescentes abusados sexualmente. UNICIÊNCIAS, v.19,n.1,p.72-78.

Theron, L. C., & Phasha, N. (2015). Cultural pathways to resilience: Opportunities and obstacles as recalled by black South African students. In Youth resilience and culture: Commonalities and complexities, L. C. Theron, L. Liebenberg & M. Ungar (eds), pp. 51-66. Dordrecht. Springer.

Ungar, M. (2015). Working with children and youth with complex needs: 20 skills to build resilience. New York, NY, US: Routledge/Taylor & Francis Group.

Wright, M. O., Crawford, E., & Sebastian, K. (2007). Positive resolution of childhood sexual abuse experiences: The role of coping, benefit-finding and meaning-making. Journal of Family Violence, 22(7), 597-608

Williams, L. C.; Araújo, E. A.(2009) Prevenção do Abuso Sexual Infantil. Um enfoque interdisciplinar. Curitiba: Juruá Editora.

Wright, M. O. & Masten, A. S. (2015) Pathways to resilience in context. In: Theron, L. C., Liebenberg, L., M. Ungar (eds) Resilience and culture. Commonalities and complexities (pp. 3–22) Dordrecht: Springer




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2019.n2.v1.1690 Statistics: Resumen : 71 views. PDF (Português (Brasil)) : 56 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Joaquim Hudson de Souza Ribeiro, Susana Maria Gonçalves Coimbra, Vanessa Barbosa Romeira Leme

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877