O impacto do brincar/jogar em atividades de tempos livres no envolvimento, satisfação e interação de crianças e jovens

Paulo César Bulhões, Isabel Cabrita Condessa

Resumen


Este trabalho teve como propósito perceber o nível de envolvimento das crianças e jovens nas atividades, o seu grau de satisfação e as relações estabelecidas com os colegas e profissionais de educação e foi realizado numa Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS)”, em seis valências CATL – Centros de Atividades de Tempos Livres, onde se priorizavam nas propostas diárias a ludicidade e o direito a brincar/jogar.
Nesta nossa investigação, de natureza exploratória e com caraterísticas qualitativas, efetuámos um cruzamento de informação obtida pelo recurso a técnicas variadas e complementares: análise documental; observações participantes (entrevistas informais e recolhas de imagens); entrevistas semiestruturadas (individuais e em grupo – Focus Group). Para o tratamento de dados realizou-se a análise de conteúdo e serão aqui apresentados alguns excertos dos discursos realizados – observadores e entrevistados.
Verificámos que a participação das crianças e jovens no âmbito das atividades de tempos livres é positiva e valorativa, mediante um conjunto de oportunidades educativas e socioculturais, que reforçam o papel colaborativo e de mediação do profissional de educação, o respeito pela voz ativa da criança/ jovem e, muitas vezes, pelas diferenças individuais, onde se realçam as questões de género. A satisfação das mesmas depende das relações com os colegas e profissionais, das oportunidades e dos interesses institucionais associados. As relações estabelecidas com os colegas proporcionam enriquecimento e interajuda, afetos, novas aprendizagens, enquanto que as relações com os profissionais possibilitam proteção, respeito e proximidade. Ainda se concluiu que os CATL, da IPSS em estudo, assentam na gestão de dois conceitos: ludicidade e liberdade, com enfoque principal no brincar, enquanto constructo de desenvolvimento pessoal, social e educativo da criança/ jovem. No âmbito das atividades de tempos livres, promovidas pelas valências em estudo, há uma valorização da criança, enquanto sujeito de direitos – expressão, tempos livres, repouso, participação, segurança, recreação, lazer, educação.


Palabras clave


atividades de tempos livres; crianças; jovens; brincar/jogar; direitos.

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Araújo, M. J. (2004). Atividades de tempos livres – tempo livre vs tempo ocupado. Dissertação não publicada. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, Porto.

Araújo, M. J. (2006). Crianças sentadas! Os trabalhos de casa no ATL. Porto: Livpsic.

Araújo, M. J. (2009a). Crianças ocupadas: como algumas opções erradas estão a prejudicar os nossos filhos. Porto: Prime Books.

Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Condessa, I. C. (2017). Olhares sobre o papel do jogo nas aprendizagens escolares relatos de estagiários a educadores de infância e professores do 1º CEB. In J. Pinhal, F. A. Costa, & A. R. Faria (Orgs.), Atas do XIII Colóquio da AFIRSE Portugal: As pedagógicas na sociedade contemporânea: desafios às escolas e aos educadores (pp. 266- 276). Lisboa: AFIRSE Portugal–Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Convenção dos Direitos das Crianças. (2004). Unicef. Recuperado de https://www.unicef.pt/docs/pdf_publicacoes/convencao_direitos_crianca2004.pdf.

Costa, A. R., Kuhn, R., & Cunha, A. C. (2015, julho). Sem tempo para brincar: as crianças, os adultos e a tirania dos relógios. Comunicação apresentada no Congresso XI Seminário Internacional de Educação Física, Lazer e Saúde - Perspetivas de Desenvolvimento num Mundo Globalizado, Escola Superior de Educação – Instituto Politécnico do Porto. Recuperado de: http://hdl.handle.net/1822/39653.

Craveiro, C., & Silva, B. (2016). A consideração pela opinião da criança em contextos e quotidianos de educação de infância. In F. I. Ferreira, C. I. Anjos, A. A. Duarte, E. Fernandes, N. H. R. Franco, S. E. Santos, & T. Sarmento (Orgs.), Atas do II Seminário Luso-Brasileiro de Educação de Infância: Investigação, formação docente e culturas da infância (pp.92-103). Santo Tirso: Whitebooks. Recuperado de http://media.wix.com/ugd/c875f7_3ebce3a1a52441a0b77c651730c34809.pdf

Lansdown, G. (2005). Me haces caso? El derecho de los niños pequeños a participar en las decisiones que los afectam. Cuadernos sobre Desarrollo Infantil Temprano, (36), 1-60.

Little, P. M. D., Wimer, C., & Weiss, H. B. (2008). Aflter school programs in the 21st Century: Their potential and what it takes to achieve it. Issues and Opportunities in out-of-school time evaluation, 10, 1-21. Recuperado de http://most.ie/webreports/After%20School%20Programs%20whayt%20is%20takesHFR.pdf

Neto, C. (2000). O jogo e o tempo livre nas rotinas de vida quotidiana de crianças e jovens. In Câmara Municipal de Lisboa – Departamento de Acção Social (Orgs.), Seminário de Tempos Livres: A Criança, o Espaço, a Ideia (pp. 11-20). Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa. Recuperado de https://scholar.google.pt/scholar?hl=ptPT&as_sdt=0%2C5&q=O+jogo+e+o+tempo+livre+nas+rotinas+de+vida+quotidiana+de+crian%C3%A7as+e+jovens&btnG=.

Neto, C. (2004). O desenvolvimento da motricidade e as “culturas da infância”. In W. Moreira, & R.Simões (Orgs.), Educação física: Intervenção e conhecimento científico (pp. 2-13). Piracicaba–Brasil: Editora Unimep. Recuperado de https://scholar.google.pt/scholar?hl=pt-PT&as_sdt=0,5&q=O+desenvolvimento+da+motricidade+e+as+%E2%80%9Cculturas+da+inf%C3%A2ncia%E2%80%9D.

Pereira,V., Condessa, I., & Pereira, B. (2017). Educadores em ação no recreio escolar: formar para (inter) agir. In J. A. F. P. Júnior (Org.), Conhecimentos do professor de Educação Física Escolar(pp: 622-653). Fortaleza-CE: Ed. UECE. Recuperado de http://www.uece.br/eduece/dmdocuments/Conhecimentos%20do%20professor%20de%20Educacao%20Fisica%20escolar.pdf

Sarmento, M. J. (2003). Imaginário e Culturas da Infância. Texto produzido no âmbito das Atividades do Projeto “As Marcas dos Tempos: Interculturalidade nas Culturas da Infância”. Projeto POCTI/CED/ 49186/ 2002, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Instituto de Estudos da Criança, Universidade do Minho. Recuperado de http://www.cedic.iec.pt/Textos_de_Trabalho/textos/ImaCultInfancia.pdf

Sarmento, M. J. (2011). A reinvenção do ofício de criança e de aluno. Atos de pesquisa em educação, 6(3), 581-602. doi: 10.7867/1809-0354.2011v6n3p581-602.

Sarmento, M. J. (2015). Para uma agenda de educação de infância em tempo integral assente nos direitos da criança. In V. C. Araújo (Org.), Educação Infantil em jornada de tempo integral: dilemas e perspetivas (pp. 61-89). Vitória: Edufes. Recuperado de http://hdl.handle.net/1822/36770.

Sequeira, A., & Pereira, B. (2004, setembro). Estudo descritivo das actividades de tempos livres no ATL: um estudo de caso. Comunicação apresentada no VIII Congresso Luso-Brasileiro de Ciências Sociais, Coimbra.

Silva, M. C., & Sarmento, T. (2017). O brincar na infância é um assunto sério…. In T. Sarmento, F.I. Ferreira, & R. Madeira (Orgs.), Brincar e aprender na infância (pp. 39-56). Porto: Porto Editora.

Soares, N. F. (2005). Os Direitos das crianças nas encruzilhadas da proteção e da participação. Zeroa-Seis, 7(12), 8-18.

Tomás, C., & Gama, A. (2011, janeiro). Cultura de (não) participação das crianças em contexto escolar. Comunicação apresentada no II Encontro de Sociologia da Educação: Educação, Territórios e (Des) Igualdades, Porto.

Tomás, C. (2007). Paradigmas, imagens e conceção da infância em sociedade mediatizadas. Media & jornalismo, (11), 119-134.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2019.n2.v1.1670 Statistics: Resumen : 459 views. PDF (Português (Portugal)) : 48 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Paulo César Bulhões, Isabel Cabrita Condessa

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877