A criança e o seu desenvolvimento em atividades lúdicas e físico-motoras uma reflexão sobre instituições de tempos livres

Paulo César Bulhões, Isabel Cabrita Condessa

Resumen


Há cerca de três séculos que o tempo livre vem conquistando um maior reconhecimento, acompanhando as mudanças sociais e económicas e propondo planos que tem como preocupação em ocupar o momento dedicado ao lazer das crianças facultando uma igualdade de oportunidades de educação a partir de atividades lúdicas. Segundo o art.º n.º 5 do Decreto Lei Regional n.º 1 de 2018, na atualidade os Centros de Atividades de Tempos Livres (CATL) abrangem uma intervenção a partir de numa aprendizagem não formal, com vista ao desenvolvimento individual e social da criança em idade escolar, num ambiente lúdico, de liberdade e com potencial pedagógico.
Com o propósito de procura de um maior conhecimento acerca do tempo livre e recreativo realizado nos CATL, apresentamos esta parte de um estudo mais amplo cujo objetivo foi analisar as atividades potenciadoras de aprendizagens, comportamentos e valores relevantes para a sociedade atual, nas suas dimensões educativas e socioculturais.
Este estudo de caso em contexto de aprendizagem não formal, envolveu crianças e jovens
(n=148) e alguns profissionais, garantindo-se as éticas. Na recolha da informação privilegiamos a observação de práticas e a entrevista dirigida a profissionais e os dados foram analisados com base na análise de conteúdo das recolhas efetuadas.
Verificou-se que as Atividades Lúdicas e Desportivas (ALD) efetuadas em contexto destes centros visam o desenvolvimento - afetivo, cognitivo e motor, com vista a uma maior aprendizagem e criatividade (ambiente de liberdade), ação sobre alguns comportamentos detetados, como por  exemplo na coeducação, na socialização e no enriquecimento sociocultural. Por outro lado, as Atividades de Ar Livre (AAL), possibilitam a libertação da criança, exploração da natureza, maior autonomia, respeito, responsabilidade, interajuda, resolução de conflito e maior risco – segurança, sujidade e desadequação das condições. Conclui-se assim que os CATL têm por excelência um tempo dedicado ao lúdico e às atividades físicas e desportivas, assentando na liberdade e na espontaneidade, com recurso ao jogo e às expressões. Tal papel contribui para o desenvolvimento integral da criança, bem como das aprendizagens multidimensionais.


Palabras clave


centros de atividades de tempos livres; atividades lúdicas; atividades físicomotora; desenvolvimento da criança

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Araújo, M. J. (2009a). Crianças ocupadas: como algumas opções erradas estão a prejudicar os nossos filhos. Porto: Prime Books.

Canda, C. N. (2016). Infância e cultura lúdica: um estudo sobre a produção de culturas pela criança. In F. I. Ferreira, C. I. Anjos, A. A. Duarte, E. Fernandes, N. H. R. Franco, S. E. Santos, & T.Sarmento (Orgs.), Atas do II Seminário Luso-Brasileiro de Educação de Infância: Investigação, formação docente e culturas da infância. (pp. 524-538). Santo Tirso: Whitebooks Recuperado dehttp://media.wix.com/ugd/c875f7_3ebce3a1a52441a0b77c65173 c34809.pdf

Condessa, I.C. & Vieira, V.S. (2017). O desenvolvimento da motricidade fina da criança na escola infantil. Estudo comparativo de fatores de prática e parâmetros de avaliação. International Journal of Developmental and Educational Psycholog. INFAD Revista de Psicología, 1 (2), pp. 257-266.

Condessa, I., & Santos, E. (2015a). O espaço recreio: um momento de atividade física para crianças no pré-escolar e 1.º ciclo do ensino básico. E-balonmano.com: Revista de Ciências del desporte, 11(1), 7-8. Recuperado de http://www.redalyc.org/html/865/86538704004/.

Condessa, I.C. (2009). A Educação Física na Infância. Aprender: a Brincar e a Praticar. Im I.C.Condessa (org.). (Re)aprender a Brincar. Da especificidade à Diversidade. Ponta Delgada: U.Açores & FCT. ISBN: 9789728612559.

Farias, M. J. C. C. (2016). A excelência do brincar e jogar no pré-escolar e no 1.º ciclo do ensino básico: uma análise em contexto de estágio. Dissertação não publicada. Universidade dos Açores, Ponta Delgada.

Furtado, O., & Serpa, M. D. (2013). Educação escolar e extraescolar. In I. E. Rego, & S. N. Caldeira (Orgs.), Prevenir ou remediar? Contextos para a intervenção em Psicologia (pp. 99-126). Braga: Psiquilíbrios: Edições.

Gomes, L., & Madeira, R. (2017). Os dizeres e (a)fazeres das crianças: entre brincar e trabalhar. In T. Sarmento, F. I. Ferreira, & R. Madeira (Orgs.), Brincar e aprender na infância (pp. 99-122). Porto: Porto Editora.

Neto, C. (2000). O jogo e o tempo livre nas rotinas de vida quotidiana de crianças e jovens. In Câmara Municipal de Lisboa – Departamento de Acção Social (Orgs.), Seminário de Tempos Livres: A Criança, o Espaço, a Ideia (pp. 11-20). Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa. Recuperado de https://scholar.google.pt/scholar?hl=ptPT&as_sdt=0%2C5&q=O+jogo+e+o+tempo+livre+nas+rotinas+de+vida+quotidiana+de+crian%C3%A7as+e+jovens&btnG=.

Neto, C. (2001). A criança e o jovem: perspetivas de investigação. In B. Pereira, & A. Pinto (Orgs.), A escola e a criança em risco – intervir para prevenir (pp. 31-51). Porto: Edições ASA.

Neto, C. (2009). A importância do brincar no desenvolvimento da criança: uma perspetiva ecológica. In I. C. Condessa (Org.), (Re) aprender a brincar – da especificidade à diversidade (pp.16–35). Ponta Delgada: Universidade dos Açores e FCT.

Nogueira, R. P. (2013). A jogar também se aprende… o contributo do jogo no desenvolvimento de competências matemáticas na educação pré-escolar e no 1º ciclo do ensino básico. Dissertação não publicada. Universidade dos Açores, Ponta Delgada.

Perrenoud, P. (1995). Ofício de aluno e sentido do trabalho escolar. Porto: Porto Editora, LDA.

Pereira,V., Pereira, B., & Condessa, I. (2016). As interações no recreio: qual o papel do adulto neste espaço? In L. C. F. Santos, D. Eckert-Lindhammmer, A. Hodeck, & A. Hartens (Orgs.),Ebook Full Texts of international seminar of physical education, recreation and health XII sieflas: University of Leipzig (pp. 117-129). Germany: LEGS e V. Ebook under. doi: ISBN 978-3-00-053685-4.

Pereira, V., Pereira, B., & Condessa, I. (2013). O tempo de recreio na escola: que sentimentos? Que benefícios? Perspetivas dos alunos do 1º ciclo do ensino básico. Comunicação apresentada no IX Seminário Internacional de Educação, lazer e saúde, CIEC –Instituto de Educação, Universidade do Minho, Braga. Recuperado de http://hdl.handle.net/1822/26024

Pereira, B. P., & Neto, C. (1997). A infância e as práticas lúdicas: Estudo das actividades de tempos livres nas crianças dos 3 aos 10 anos. In M. Pinto, & M. J. Sarmento (Orgs.), As crianças, contextos e identidades (pp. 219–264). Braga: Colecção Infans, Centro de Estudo da Criança, Universidade do Minho.Pessanha, A. M. A. (2001). Actividade lúdica associada à literacia. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Rocha, M. L. (2017). O brincar no tempo livre da criança. In T. Sarmento, F. I. Ferreira, & R. Madeira (Orgs.), Brincar e aprender na infância (pp. 57-76). Porto: Porto Editora.

Sarmento, M. J. (2015). Para uma agenda de educação de infância em tempo integral assente nos direitos da criança. In V. C. Araújo (Org.), Educação Infantil em jornada de tempo integral: dilemas e perspetivas (pp. 61-89). Vitória: Edufes. Recuperado de http://hdl.handle.net/1822/36770.

Sequeira, A., & Pereira, B. (2004, setembro). Estudo descritivo das actividades de tempos livres no ATL: um estudo de caso. Comunicação apresentada no VIII Congresso Luso-Brasileiro de Ciências Sociais, Coimbra.

Silva, M. F. G., Santana, I. M., Silva, I. A. L., & Silva, M. E. (2016). Contribuições das brincadeiras para o desenvolvimento integral das crianças: um estudo de caso numa escola pública do estado de Pernambuco – Brasil. In F. I. Ferreira, C. I. Anjos, A. A. Duarte, E. Fernandes, N. H. R. Franco, S. E. Santos, & T. Sarmento (Orgs.), Atas do II Seminário Luso-Brasileiro de Educação de Infância: Investigação, formação docente e culturas da infância (pp. 524-538). Santo Tirso: Whitebooks. Recuperado de http://media.wix.com/ugd/c875f7_3ebce3a1a52441a0b77c651730c34809.pdf




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2019.n2.v1.1666 Statistics: Resumen : 190 views. PDF (Português (Portugal)) : 42 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Paulo César Bulhões, Isabel Cabrita Condessa

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877