Inteligência emocional em idosos portugueses

Ana Andrade, João Duarte, Carla Cruz, Carlos Alburquerque, Claudia Chaves

Resumen


Introdução: A inteligência emocional é entendida como uma habilidade que promove a capacidade de decisão do indivíduo perante as diversas situações quotidianas. Objetivos: Avaliar o nível de inteligência emocional dos idosos portugueses e identificar as variáveis que interferem nas dimensões e global da inteligência emocional. Métodos: Foi realizado um estudo de natureza quantitativa, descritivo e correlacional e participaram 1040 idosos, com idades entre os 65 e 96 anos da região centro de Portugal. Para a mensuração das variáveis utilizou-se a Escala de Medida de Inteligência Emocional (MIE) e uma ficha de caracterização sociodemográfica e situacional. Resultados: Dos idosos inquiridos 39.7% dos idosos apresenta elevada inteligência emocional, 22.9% moderada inteligência emocional e 37.4% baixa inteligência emocional. Para as cinco dimensões da inteligência emocional (IE), a área de residência e a escolaridade interferem na Empatia, Automotivação e Autoconsciência dos idosos. A prática de atividade física influencia a Empatia e a inteligência emocional global. A existência de depressão antes dos 65 anos não interfere na inteligência emocional dos idosos. Conclusão: O desenvolvimento de habilidades emocionais no idoso vai potenciar a autonomia, a segurança, a relação com os outros, evitando situações de depressão e isolamento social e favorecendo uma melhor qualidade de vida


Palabras clave


inteligência emocional; idoso; escolaridade; atividade física

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Alcídio, J. (2010). A importância da universidade sénior na qualidade de vida e solidão dos seniores em Gondomar. Dissertação de Mestrado, Instituto Superior de Serviço Social do Porto, não

publicada.

Amable, N. U., & García, C.V. (2010). Una vejez emocionalmente inteligente: retos y desafios. Contribuciones a las Ciencias Sociales. Acedido em: http://www.eumed.net/rev/cccss/07/uavg.pdf

Andrade, A. & Martins, R. (2011). Funcionalidade Familiar e Qualidade de Vida dos Idosos. Millenium, 40: 185-199.

Andrade, A., Martins, R., Duarte, J. & Madureira, A. (2015). Validation of Emotional Intelligence Measure (MIE) for the Portuguese population. Atención Primaria, 46 (especial congresso), 92- 100.

Birol C., Atamturk H., Silman F., Sensoy S. (2009). Analysis of the emotional intell level of teachers. Procedia Soc. Behav. Sci., 1, 2606–2614.

Brackett, M. A., Mayer, J. D., & Warner, R. M. (2004). Emotional intelligence and its relation to everyday behaviour. Personality and Individual Differences, 36, 1387-1402. Acedido em:

http://www.scielo.br/pdf/ptp/v30n3/11.pdf.

Bradberry,T., & Greaves, J. (2008). Guia Prático da Inteligência Emocional. Lisboa: Bertrand Editora.

Cabral, M. V., Ferreira, P. M., Silva, P. A., Jerónimo, P. & Marques, T. (2013). Processos de envelhecimento em Portugal. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Campos, S., & Martins, R. (2012). A Inteligência Emocional em Professores de Educação Especial da Região de Viseu. Millenium, 43, 7-28.

Carneiro, R., Chau, F., Soares C., Fialho, J. A. S., & Sacadura, M. J. (2012). O envelhecimento da população: Dependência, ativação e qualidade (Relatório final, Universidade Católica Portuguesa). Acedido em http://www.qren.pt/np4/np4/newsId=1334&fileName=envelhecimento_populacao.pdf.

Damásio, A. (2010).O livro da consciência. A construção do cérebro consciente. Maia: Círculo de Leitores.

Figueiredo, L. (2007). Cuidados familiares ao idoso dependente. Lisboa: Climepsi Editores

Fragoso, V. (2012). Escolha e decisão: educação emocional na senioridade. In J. Alves & A. Neto (Eds.), Decisão – percursos e contextos (pp. 397- 403). Vila Nova de Gaia: Eu Edito.

Irigaray, T. Q., Trentini, C. M.; Gomes, I.; Schneider, R. H. (2011). Funções cognitivas e bem-estar psicológico em idosos saudáveis. In: Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento. Porto Alegre, 16 (2), 215-227. Acedido em: http://seer.ufrgs.br/RevEnvelhecer/article/view/18613.

Matthias, K., Theodor, J. y Louise, P.H. (2007) Emotional development across adulthood: Differential age-related emotional reactivity and emotion regulation in a negative mood induction procedure. International Journal of Aging & Human Development, 64(3), 217-244.

Oliveira, C. R., Rosa, M. S., Pinto A. M., Botelho, M. A. S., Morais, A. & Veríssimo, M. T. (2010). Estudo do Perfil do Envelhecimento da População Portuguesa. Lisboa-Coimbra: Eurotrials.

Oliveira, J. H. B. (2008). Psicologia do envelhecimento e do idoso (3ªed.). Porto: Legis Editora.

Paúl, C., & Fonseca, A. (2005). Envelhecer em Portugal - psicologia, saúde e prestação de cuidados. Lisboa: Climepsi Editores.

Paúl, C., & Ribeiro, O. (2012). Manual de Gerontologia: Aspetos biocomportamentais, psicológicos e sociais do envelhecimento. Lisboa: Lidel.

Pocinho, L., Pais, A., Santos, E., Nunes, A., & Santos, G. (2013). Solidão e abandono social na terceira idade. In R. Pocinho, E. Santos, A. Pais, E. Navarro (Coords.), Envelhecer Hoje (pp. 45-73).

Viseu: Psicosoma.

Siqueira, R. L., Botelho, M. I. V., & Coelho, F. M. G. (2002). A velhice: Algumas considerações teóricas e conceituais. Ciência Saúde Coletiva, 7(4), 899-906.

Siqueira, M. M. M, Padovam, V. R., Chiuzi, R. M., & Covacs, J. M. (2006). Análise fatorial confirmatória dos modelos teóricos de bem-estar subjetivo e de bem-estar no trabalho. Sociedade Brasileira de Psicologia Organizacional e do Trabalho (Org.), Anais do II CBPOT. Brasília: SBPOT. Acedido em: http://www.sbpot.org.br/iicbpot/anais.asp.

Siqueira, M. M. M., Barbosa, N. C., & Alves, M. T. (1999). Construção e validação fatorial de uma Medida de Inteligência Emocional. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 15, 143-152.

Taylor, D. (2011). An Age Old Problem: Exploring Options for Working with Older People. Acedido em :

http://www.respectforseniors.org/pdf/An%20Age%20Old%20Problem%20Exploring%20Options%20for%20working%20with%20Older%20People.pdf.

Yassuda, M. S., & Abreu V. P. S. (2006). Avaliação cognitiva. In E. V. Freitas, L. Py, F. A. X. Cançado, J. Doll, & M. L. Gorzoni (Eds), Tratado de Geriatria e Gerontologia (pp. 1252-1266). Rio de

Janeiro, RJ: Koogan.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2019.n1.v4.1566 Statistics: Resumen : 236 views. PDF (Português (Portugal)) : 131 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Ana Andrade, João Duarte, Carla Cruz, Carlos Alburquerque, Claudia Chaves

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877