Propostas de formação para Educadores de Infância e Professores do 1º Ciclo do Ensino Básico

Liliana Luís

Resumen


O artigo em seguida apresentado é uma proposta para que a formação, de Educadores e Professores de 1º Ciclo do Ensino Básico em Portugal, seja ampliada, neste caso em particular, às novas tecnologias. Fazemos referência à importância da informática na formação inicial de Educadores e Professores do 1º Ciclo para que seja mais fácil aos Educadores e Professores lidarem com as necessidades das crianças de hoje, bem como para que as consigam orientar neste novo processo de aprendizagem, e as possam ajudar a trabalhar a informação que adquirem fora do ambiente escolar, tendo em atenção que informação não é conhecimento e o aluno continua a necessitar de ser orientado por alguém que já trabalhou ou tem condições para trabalhar essa informação, acrescendo assim mais uma função às funções de Educador e Professor, a de gestores de informação. Um dos desafios na formação de Educadores e Professores está relacionado com a necessidade de adaptação a uma sociedade em mudança, onde a tecnologia e a capacidade de análise espacial se tornaram essenciais. O papel do professor está a alterar-se mas este não diminui de importância. Este tem agora a função de transformar a informação em conhecimento. Neste contexto, as novas tecnologias, são uma importante ferramenta. Construímos este artigo com base em opiniões de diversos autores, autores estes que estiveram também na base de uma tese que contém a parte empírica alusiva ao tema aqui descrito. 


Palabras clave


Formação; Educadores de Infância; Professores do 1º Ciclo do Ensino Básico.

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Cosme, A., & Trindade, R. (1998). A formação inicial de educadores de infância e de professores do Ensino Básico. A Pagina da Educação, 66, 11-14.

Duarte, J. A. (2002). As TIC nos primeiros anos de escolaridade: Experiências de terreno. In J. P. Ponte (Org.), A formação para a integração das TIC na Educação Pré-Escolar e no 1º Ciclo do Ensino Básico (pp. 40-48). Porto: Porto Editora.

Gomes, N. (2006). Potencial Didáctico dos Sistemas de Informação Geográficos no Ensino da Geografia: Aplicação ao 3º Ciclo do Ensino Básico (Dissertação de Mestrado), ISEGI, Universidade Nova de Lisboa Lisboa.

Gomes, J.; Coelho, R. e Miranda, L. (2007/08) "Serviços KML para concepção e partilha de "mashups" em ambiente web 2.0; interfaces ArcGIS - Google Maps como exemplo de um novo geo-web paradigma: Consumer Generated Media (CGM)". Cadernos de Geografia, n.º 26/27, Coimbra, pp. 189-196.

Haugland, S. W. (2000). Computers and Young Children. Clearinghouse on Elementary and Early Childhood Education, Illinois. Consultado em 01 jun. 2011. Disponível em: http://ceep.crc.uiuc.edu/eecearchive/digests/2000/haugland00.pdf

Nóvoa, A. (1999). Do Mestre-Escola ao Professor do Ensino Primário – Subsídios para a história da profissão docente em Portugal (séculos XVI-XX). Análise Psicológica, 5(3), 413-440.

Painho, M., Silva, R., & Antunes, P. (1996). Utilizando os Sistemas de Informação Geográfica no Ensino da Geografia ao Nível do Ensino Básico e Secundário. Comunicação apresentada no Simpósio de Investigação e Desenvolvimento de Software Educativo, Costa de Caparica.

Pereira, D. C. (1998). Importância e complexidade das funções dos professores na Sociedade de Informação: vantagens da formação de professores ser sediada nos departamentos que se ocupam da ciência como corolário. In A Sociedade de informação na Escola (pp. 153-156), Lisboa: Conselho Nacional de Educação do Ministério da Educação.

Pereira, M. F. (2001). Transformação educativa e formação de professores: os equívocos e as possibilidades. Lisboa: Ministério da Educação.

Sá-Chaves, I. (2000). Formação, Conhecimento e Supervisão: contributos na área da formação de professores e de outros profissionais. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Sarmento, M. J. (2002). Infância, Exclusão Social e Educação como Utopia Realizável. Educação e Sociedade, 78, 265-283.

Schmelkes, S. (1994). Cadernos de Educação Básica. Buscando uma melhor qualidade para nossas escolas (Vol. 10). Brasília: Ministério da Educação e Desporto/UNESCO

Scoter, J., Ellis, D., & Railsback, J. (2001). Technology in early childhood education: Finding the balance. Portland: Northwest Regional Educational Laboratory.

Serra, C. (2004). Currículo na Educação Pré-escolar e Articulação Curricular com o 1º Ciclo do Ensino Básico. Porto: Porto Editora.

Silva, I. L., Marques, & Núcleo de Educação Pré-Escolar (1997). Orientações curriculares para a educação pré-escolar. Lisboa: Ministério da Educação.

Sousa, C. M. F. (1993). Activação do desenvolvimento cognitivo e facilitação da aprendizagem: ensino das ciências no 1º ciclo do ensino básico (Tese de Doutoramento não editada). Instituto de Educação da Universidade do Minho, Braga.

Vasconcelos, T. (2000). A Educação Pré-escolar e os Cuidados para a Primeira Infância em Portugal. Lisboa: Ministério da Educação.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2019.n1.v2.1346 Statistics: Resumen : 106 views. PDF (Português (Portugal)) : 66 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Liliana Luís

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877