Determinantes do consumo de tabaco durante a gravidez e vigilância de gravidez

Emília Coutinho, Carlos Pereira, Paula Nelas, Claudia Chaves, Odete Amaral, Carla Cruz

Resumen


Uma gravidez sem consumo de tabaco traduz-se em mais saúde para a mãe e para a criança. A vigilância de gravidez assegura a identificação atempada de fatores de risco e a possibilidade de uma assistência pré-natal precoce que previna complicações. O enfermeiro assume-se como um profissional de charneira na promoção de saúde e prevenção de complicações no acompanhamento da mulher/casal ao longo da gravidez e na consciencialização da importância de adoção de estilos de vida saudáveis. Objetivo: Identificar os determinantes do consumo de tabaco e vigilância da gravidez. Metodologia: Trata-se de um estudo quantitativo, transversal, descritivo e correlacional, com uma amostra de 3232 mulheres que foram mães. O estudo foi realizado em 32 maternidades/hospitais com maternidade, de Norte a Sul de Portugal, no serviço de obstetrícia/internamento de puérperas, entre os anos de 2010 e 2012. O instrumento de colheita de dados foi o questionário que permitiu a caracterização sociodemográfica da amostra com uma idade  média das mulheres de 28,75 anos (dp=±5,463 anos), 78,2% de nacionalidade portuguesa e 21,8% estrangeiras. Foram assegurados os procedimentos éticos, e o estudo teve a autorização da Comissão Nacional de Proteção de Dados para além dos pareceres favoráveis das Comissões de ética das instituições envolvidas. Os dados foram tratados com o programa SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) versão 24 para Windows.Resultados: A mulher que vive com companheiro, e que não planeou a gravidez tem maior probabilidade de vigilância adequada de gravidez e não consumir tabaco durante a gravidez. Por outro lado, o local de residência em meio rural, mulher com formação profissional superior ou formação técnica, que não exerce uma profissão, que teve problemas de saúde durante a gravidez e que não efetuou preparação para o parto apresenta menor probabilidade de não vigiar a gravidez e consumir tabaco. Conclusão: A vigilância adequada de gravidez assegura a identificação atempada de fatores de risco como o consumo de tabaco e a possibilidade de uma sensibilização atempada da mulher/casal para uma gravidez sem tabaco e para a prevenção de complicações.


Palabras clave


determinantes; consumo; tabaco; gravidez; vigilância

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


André, M., Cândido, A., Santiago, C., Cruz, O., Carreira, T., & Amendoeira, A. (2015). Consumo de tabaco na mulher grávida: revisão sistemática da literatura. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, Especial 2, 113-118. Acedido em http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpesm/nspe2/nspe2a19.pdf

Correia, S., Nascimento, C., Gouveia, R., Martins, S., Sandes, A.R. et al. (2007). Gravidez e tabagismo uma oportunidade para mudar comportamentos. Acta Med Port; 20, 201-207. Acedido em https://www.actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp/article/viewFile/858/532

Del Bono, Ermisch, J., & Francesconi, M. (2012). Intrafamily resources allocations: A dynamic structural model of birth weight. Journal of Labour Economics, 30(4), 657-706.

Direcção-Geral de Saúde (2013). Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo 2012-2016. Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo (PNPCT). Direcção-Geral da Saúde. Lisboa. Acedido em http://www.sppneumologia.pt/uploads/files/comissoestrabalho/ct%20tabagismo/tabagismo4.pdf

Direcção-Geral de Saúde (2015). Cessação tabágica na gravidez. Guia para profissionais de saúde. Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo 2015. Direção-Geral da Saúde. Lisboa. https://www.dgs.pt/respire-bem1/documentos-e-publicacoes/cessacao-tabagica-nagravidez-guia-para-profissionais-de-saude.aspx

Galão, A.O., Sode, S.A., Gerhardt, M., Faertes, T.H., Krüger, M.S., Pereira, D.G., & Borba, C.M. (2009). Efeitos do fumo materno durante a gestação e complicações perinatais. Rev HCPA; 29(3), 218-224.

Machado, J.B., Lopes, M.H.I. (2009). Abordagem do tabagismo na gestação. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 19, 2, 75-80. Acedido em http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/scientiamedica/article/viewFile/4718/7813

Miller, E.C., Cao, H., Wen, S.W., Yang. Q., Lafleche. J., & Walker, M. (2010). The risk of adverse pregnancy outcomes is increased in preeclamptic women who smoke compared with nonpreeclamptic women who do not smoke. Am J Obstet Gynecol; 203(4), 334-338.

Motta, G.C.P., Echer, I.C., & Lucena, A.F. (2010). Fatores associados ao tabagismo na gestação. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 18(4), 1-8.

Portugal, Despacho n.º 404/2012 - Diário da República, 2.ª série, n.º 10, 13 de janeiro de 2012.

World Health Organization (2013). Recommendations for the prevention and management of tobacco use and second-hand smoke exposure in pregnancy. World Health Organization. Acedido em http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/94555/1/9789241506076_eng.pdf




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2018.n1.v3.1285 Statistics: Resumen : 400 views. PDF (Português (Portugal)) : 214 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2018 Emília Coutinho, Carlos Pereira, Paula Nelas, Claudia Chaves, Odete Amaral, Carla Cruz

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877