Conhecimentos sobre planeamento familiar em estudantes do ensino superior

Paula Nelas, Emilia Coutinho, Cláudia Chaves, Odete Amaral, Carla Cruz

Resumen


Enquadramento: O planeamento familiar promove atividades que asseguram a saúde sexual e reprodutiva, garantindo informação promotora de uma vivência da sexualidade segura e saudável. Objetivos: Determinar se as variáveis sociodemográficas, afetivas e sexuais influenciam os conhecimentos sobre planeamento familiar em estudantes do ensino superior. Metodologia: Trata-se de um estudo quantitativo, transversal, descritivo e correlacional, com uma amostra de 199 estudantes do ensino superior, com uma média de idades de 20,89 anos (dp=±2,01 anos), maioritariamente do sexo feminino (76,4%). O instrumento de colheita de dados foi o questionário que permitiu fazer a caracterização sociodemográfica, afetiva e sexual. Foi ainda incluída a Escala de Conhecimentos sobre Planeamento Familiar (Nelas, Silva, Ferreira, Duarte & Chaves, 2010). Foram assegurados os procedimentos éticos. Os dados foram tratados com o programa SPSS ( S t a tis tic al P a c k a g e f o r t h e S o cial S cie n c e s ) versão 24 para Windows. Resultados: Mais de metade (86,9%) iniciou a vida sexual. A maioria que a iniciou (78,6%) reporta aos 16-20 anos. A maioria (61,8%) não tem relação de namoro na atualidade, não tem relações sexuais no atual namoro 60,3%. Usam contraceção 90,5%. A maioria (95,0%) utilizaria preservativo em relações ocasionais. Não vigiam a saúde sexual e reprodutiva 55,8% dos participantes e o enfermeiro esclarece dúvidas sobre saúde sexual e reprodutiva a 75,4% da amostra. Nunca realizou citologia cervical 63,1% das participantes. 56,8% não têm conhecimento sobre o planeamento familiar. As raparigas revelam mais conhecimento sobre planeamento familiar (p=0,034). O rendimento mensal do agregado familiar tem relevância estatística, sendo os estudantes com maior rendimento que manifestam mais conhecimento (p=0,047). Os estudantes da área da saúde possuem mais conhecimento (p=0,001). Das variáveis afetivas e sexuais, apenas a vida sexual teve significância estatística, sendo os que ainda não iniciaram a ter mais conhecimento (p=0,014). Conclusão:Existe necessidade de intervenções promotoras da saúde sexual e reprodutiva, objetivando uma vivência da sexualidade saudável.


Palabras clave


sexualidade; conhecimentos; planeamento familiar; estudantes; ensino supe rior

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Andrews, G. (2016). Contraceção: O que é que mudou na última década? Nursing, 153, 23-30.

Bitzer, J., Abalos, V., Apter, D., Martin, R., & Black, A. (2016). Targeting factors for change: Contraceptive counselling and care of female adolescentes. The European Journal of Contraception & Reproductive Health Care, 21 (6), 417–430. Disponível em http://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/13625187.2016.1237629?needAccess=true

Brêtas, J. R. S., Ohara, C. V. S., Jardim, D. P ., & Muroya, R. L. (2009). Conhecimento sobre DST/AIDS por estudantes adolescentes. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 43 (3), 551-557.

Castro, J. F., & Rodrigues, V. M. C. P . (2009). Conhecimentos e atitudes dos jovens face à contracepção de emergência. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 43 (4), 8889-8994.

Cruz, D. E., & Jardim, D. P . (2013). Adolescência e papanicolau: Conhecimento e prática. Adolescência & Saúde, 10 (Supl. 1 ), 34-42.

Portugal, Ministério da Saúde, Direção Geral da Saúde (2015). Plano Nacional de Saúde Escolar. Lisboa: DGS.

Matos, M. G., Reis, M., Ramiro, L., & Equipa Aventura Social (2011). Saúde sexual e reprodutiva dos estudantes do ensino superior: Relatório do estudo - Dados nacionais 2010. Lisboa: FMH/UTL /CMDT/IHMT/UNL.

Moreira, W. C., Lago, E. C., Viana, M. R. P ., Carvalho, A. R. B., Frota, B. C., Pereira, P . S. L. (2015).Sexualidade e prevenção de IST e HIV/AIDS entre idosos usuários da estratégia saúde da família. Revista Prevenção de infecção e Saúde. REPIS, 1(3). Acedido em http://www.ojs.ufpi.br/index.php/nupcis/article/view/3943

Morgado, A. P . S. F., Coutinho, E. C., & Duarte, J. C. (2013). As jovens e a contraceção de emergência: Vivências da sexualidade. Mille niu m , 44, 141169.

Ndayizigiye, N., Smith Fawzi, M.C., Thompson Lively, C., & Ware, N.C. (2017). Understanding low uptake of contraceptives in resource-limited settings: a mixed-methods study in rural Burundi. B M C Health Services Research, 17, 209. Doi: 10.1186/s12913-017-2144-0.

Nelas, P ., Fernandes, C., Ferreira, M., Duarte, J., & Chaves, C. (2010). Construção e validação da escala de conhecimentos sobre planeamento familiar. Sexualidade e educação sexual: Políticas educativas, investigação e práticas. Braga: Edições CIEd – Centro de investigação em Educação, Universidade do Minho

Nelas, P . (2010). Educação sexual em contexto escolar: Uma intervenção contra a vulnerabilidad en a vivência da sexualidade adolescente (Tese de doutoramento, Universidade de Aveiro). Acedido em http://ria.ua.pt/handle/10773/4656

Potter, J., & Santelli, J.S. (2015). Contraceptive counseling for adolescents. Womens Health, 11 (6), 737-741. Acedido em http://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.2217/whe.15.75

Tôrres, T. R. F., Nascimento, E. G. C., Alchieri, J. C. (2013). O cuidado de enfermagem na saúde sexual e reprodutiva dos adolescentes. Adolescência & Saúde, 10 (Supl. 1), 16-26.

Reis, M., & Matos, M. G. (2007). Contraceção: Conhecimentos e atitudes em jovens universitários. Psicologia, Saúde & Doenças, 8 (2), 209-220.

Reis, M., Ramiro, L., Matos, M. G., & Diniz, J. A. (2012). Os comportamentos sexuais dos universitários portugueses de ambos os sexos em 2010. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 30 (2), 105-114. Chaves, UTAD, Vila Real: ESEVR. Acedido em http://www.esechaves.pt/documentos/ Contexto_livro.pdf

Tavares, G. M. (2015). Sexualidad en a adolescência (Dissertação de mestrado, Instituto Politécnico de Portalegre). Acedido em https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/15002/1/ ESSTFC573.pdf

Vilar, D., & Ferreira, P . M. (2010). A educação sexual dos jovens portugueses: Conhecimentos, fontes e impacto. In: Sexualidade e educação sexual: Políticas educativas, investigação e práticas (pp. 198-204). Braga: Universidade do Minho: Edições CIEd – Centro de Investigação em Educação.

Santos, M. J., & Figueiredo, A. (2015). Contraceção na adolescência: Aconselhamento e linhas de orientação. Revista Electrónica de Educação e Psicologia , 4, 62-75. Acedido em http://edupsi.utad.pt/index.php/component/content/article/80-revista3/123-contracecao-naadolescencia-aconselhamento-e-linhas-de-orientacao

Sousa, F., Pimentel, H., & Mata, M. A. (2012). Concepção, opiniões e adesão dos adolescentes face às consultas de planeamento familiar. In: A. Lobo, A. Gonzalez, A. Carvalho, C. Rodrigues, C. Antunes, M. J. Monteiro, … V. Rodrigues, Contextos de investigação em saúde (pp. 89-100).




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2018.n1.v2.1209 Statistics: Resumen : 263 views. PDF (Português (Portugal)) : 113 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2018 Paula Nelas, Emilia Coutinho, Cláudia Chaves, Odete Amaral, Carla Cruz

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877