A influência dos pais no comportamento dos jovens

Carla Cruz, Paula Nelas, Emilia Coutinho, Cláudia Chaves, Odete Amaral

Resumen


Enquadramento: Os Comportamentos Hostis em Crianças e Adolescentes são um problema da atualidade. Diversos estudos epidemiológicos revelam uma primordial importância da relação parental para o desenvolvimento psicossocial do indivíduo. Objetivos: Determinar a prevalência dos comportamentos hostis em crianças e adolescentes; Identificar as variáveis sociodemográficas e de contexto familiar que influenciam os comportamentos hostis em crianças e adolescentes; analisar o modo como a perceção face ao conflito interparental se relaciona com os comportamentos hostis. Métodos: Estudo quantitativo, não-experimental, transversal, descritivo-correlacional e explicativo, envolvendo uma amostra de 2728 crianças e adolescentes, (idade média=14,73 e Dp=+/- 2,3). A recolha de dados inclui o questionário de dados sociodemográficos e contexto familiar, Escala de Perceção face ao Conflito Interparental e Inventário de Hostilidade de Buss-Durkee. O tratamento de dados foi efetuado com o programa SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) versão 24 para Windows. Resultados: Quanto maior a Perceção face ao Conflito Interparental, maior o Comportamento Hostil em Crianças e Adolescentes. O conflito Interparental influencia o Comportamento Hostil nos jovens e se recorrente e intenso, existe grande probabilidade de se tornar um adulto com comportamentos antissociais. Conclusão: Com a elaboração deste estudo pretendemos que a divulgação dos resultados obtidos sejam uma mais-valia para o qualidade de vida das Crianças e Adolescentes, tentando diminuir os potenciais riscos para o problema dos Comportamentos Hostis. 


Palabras clave


parentalidade; crianças; adolescentes; comportamentos hostis; conflitos interparentais

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Amaro, F. (2004). Inquérito às opiniões, atitudes, conhecimentos e comportamentos faceàsidad a população portuguesa dos 15 aos 69 anos. Lisboa: Comissão Nacional de Luta Contra a SIDA. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa.

Benetti, S. P . (2006). Conflito conjugal: Impacto no desenvolvimento psicológico da criança e do adolescente. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19 (2), 261-268.

Collins, W. A., & Sprinthall, N. A. (2008). Psicologia do adolescente: Uma abordagem desenvolvimentista. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Cruz, C. (2014). Parentalidade e comportamentos hostis em adolescentes (Tese de Doutoramento, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa). Acedido em http://recil.grupolusofona.pt/handle/10437/7130

Dadds, M. R., Holland, D. E., Laurens, K. R., Mullins, M., Barrett, P . M., & Spence, S. H. (1999). Early intervention and prevention of anxiety disorders in children: Results at 2-year follow-up. Journal of consulting and clinical psychology, 67 (1), 145.

Del Barrio, V., Carrasco, M. Á., Rodríguez, M. A., & Gordillo, R. (2009). Prevención de la agresión en la infancia y la adolescencia. International Journal of Psychology & Psychological Therapy, 9 (1), 101-1.07

Díaz Galvis, J. L., Peña Olvera, F. de la, Suárez Reynaga, J. A., & Palacios Cruz, L. (2004). Perspectiva actual de la violência juvenil. Med Unab, 6 (20), 115-124. Acedido em http://tdahlatinoamerica.org/documentos/08_CARPETA_5_Diaz_Perspectiva_de_la_violencia_juvenil.pdf

Ferreira, S., Nogueira, S., & Fernandes, B. (2011). O meu filho põe-me à beira de um ataque de nervos. Saúde Infantil, 33 (2), 91-92.

Grych, J. H., Fincham, F. D., Jouriles, E. N., & McDonald, R. (2000). Interparental conflict and child adjustment: Testing the mediational role of appraisals in the cognitivecontextual framework. Child Development, 71 (6), 1648-1661.

Grych, J. H., Harold, G. T., & Miles, C. J. (2003). A prospective investigation of appraisals as mediators of the link between interparental conflict and child adjustment. Child Development, 74 (4), 1176-1193.

Grych, J. H., Seid, M., & Fincham, F. D. (1992). Assessing marital conflict from the child’s perspective: The children’s perception of interparental conflict scale. Child Development, 63 (3), 558572.

Hetherington, E. M., & Elmore, A. M. (2003). Risk and resilience in children coping with their parents’ divorce and remarriage. In Resilience and vulnerability: Adaptation in the context of childhood adversities (pp. 182-212). London: Cambridge.

McDonald, R., & Grych, J. H. (2006). Young children’s appraisals of interparental conflict: Measurement and links with adjustment problems. Journal of Family Psychology, 20 (1), 88.

Meichenbaum, D. (2001). Treatment of individuals with anger-control problems and aggressive behaviors: A clinical handbook. London: Crown House Publishing.

Moura, O., & Matos, P . M. (2008). Vinculação aos pais, divórcio e conflito interparental em adolescentes. Psicologia, 22 (1), 127-152. .

Oliveira, J. S. (2005). Desenvolvimento psicossocial e estilos de vinculação: convergência e divergência de percepções de satisfação na família (Tese de doutoramento, Universidade do Porto). Acedido em https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/22930

Pacheco, J., Alvarenga, P ., Reppold, C., Piccinini, C. A., & Hutz, C. S. (2005). Stability of antisocial behavior on the infancy-adolescence transition: A developmental perspective. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18 (1), 55-61

Rocha, M., Mota, C. P ., & Matos, P . M. (2011). Vinculação à mãe e ligação aos pares na adolescência: O papel mediador da auto-estima. Análise Psicológica, 29 (2), 185-200.

Rodrigues, M. J. B. (2008). Reacções emocionais e percepções da criança ao conflito parental (Dissertação de doutoramento, Instituto Superior de Ciências Biomédicas de Abel Salazar). Universidade do Porto. Acedido em https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/19395

Sá, D. G. F., Curto, B. M., Bordin, I. A. S., & de Paula, C. S. (2009). Exposição à violência como risco para o surgimento ou a continuidade de comportamento antissocial em adolescentes da região metropolitana de São Paulo. Psicologia: Teoria e Prática, 1 1 (1), 179-188.

Sani, A. I. M. (2003). As crenças, o discurso e a acção: As construções de crianças expostas à violência interparental (Dissertação de doutoramento, Universidade do Minho). Acedido em http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/6958




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2018.n1.v2.1180 Statistics: Resumen : 204 views. PDF (Português (Portugal)) : 111 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2018 Carla Cruz, Paula Nelas, Emilia Coutinho, Cláudia Chaves, Odete Amaral

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877