A influência dos contextos sociodemográficos no bonding paterno

Carla Cruz, Paula Nelas, Emília Coutinho, Cláudia Chaves, Odete Amaral

Resumen


Enquadramento: O processo de vinculação é indispensável pois favorece e/ou determina a futura relação entre a díade: pai/bebé e influencia o desenvolvimento cognitivo e social da criança. Este processo de vinculação (bonding) é condicionado por um conjunto de fatores interligados com as condições parentais e situacionais que poderão coadjuvar ou impedir o estabelecimento do proceso de vinculação (Pereira, 2009).

Objetivo: Estabelecer a relação entre o contexto sociodemográfico (idade, estado civil, habilitações literárias e duração do relacionamento) e a vinculação (bonding) entre o pai e o bebé.

Método: Trata-se de um estudo transversal, descritivo-correlacional, de natureza quantitativa, com uma amostra de 349 pais com média de idade de 31,84 anos (dp= 6,067). O instrumento de colheita de dados foi o questionário que permitiu caracterizar a amostra nas variáveis sociodemográficas e a Escala de Bonding (Figueiredo et al., 2005).

Resultados: Os resultados demonstram que o bonding positivo é influenciado pela idade (p=0,010), sendo mais elevado nos pais com idade igual ou inferior a 30 anos. No que concerne às habilitações literárias, verificou-se que quanto menor é a escolaridade dos pais, maior é o bonding positivo (p=0,045).Por outro lado o estado civil e a duração do relacionamento não influenciam o bonding.

Conclusão: Face à importância do processo de vinculação pai/bebe, cujo envolvimento debe existir desde o início da gravidez, é imprescindível que o Enfermeiro especialista em saúde materna assuma a responsabilidade de educar e estimular o bonding paterno apoiando e integrando o pai no processo de adaptação à parentalidade.


Palabras clave


Pai; Bebé; Bonding; gravidez

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Bolli, A. C. B. (2002). O envolvimento paterno com o bebé e aos doze meses de idade (Dissertação de mestrado, Universidade do Rio Grande do Sul). Acedido em https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/2553/000372062.pdf?sequence=1

Brandão, S. M. P. A. (2009). Envolvimento emocional do pai com o bebé: Impacto da experiência do parto (Dissertação de Mestrado, Universidade do Porto). Acedido em https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/16151

Carvalho, M. L. M. (2003). Participação dos pais no nascimento em maternidade pública: dificuldades institucionais e motivações dos casais. Cadernos Saúde Pública, (19) Sup. 2, 389-398.

Castoldi, L. (2002). A construção da paternidade desde a gestação até ao primeiro ano do bebé (Dissertação de mestrado, Universidade do Rio Grande do Sul). Acedido em https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/1576/000351993.pdf?sequence=1

Conde, A., & Figueiredo, B. (2007). Preocupações de mães e pais, na gravidez, parto e pós parto. Análise Psicológica, (25) 3, 381-398.

Felizardo, S. M. A. S. (2010). Os efeitos do suporte social em famílias de crianças com deficiência. In C. Nogueira, I. Silva, L. Lima, A.T. Almeida, R. Cabecinhas, R. Gomes,… M.C. Taveira (Eds), Actas do VII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia (pp. 1-11). Viseu: Escola Superior de Educação de Viseu, I. P. V. Acedido em http://repositorio.ipv.pt/handle/10400.19/524

Ferreira, L. S., L., Magda P., & Néné, M. (2010). Envolvimento paterno e o planeamento da gravidez. Revista da Ciências da Saúde da ESSCVP, 2, 22-30.

Figueiredo, B., Costa, R., & Pacheco, A. (2005). Bonding: Escala para avaliar o envolvimento emocional dos pais com o bebé. Psychologica, 40, 133-154.

Freitas, I. (2009). As relações entre suporte social e balanço emocional (Dissertação de mestrado, Universidade Metodista de São Paulo). Acedido em http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/METO_3da41501057cd66aca81156f966d8628/Details

Mendes, R. V. (2007). A parentalidade experimentada no masculino: As vivências da paternidade. CIES e-Working Paper, 22, 1-24. Acedido em https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/285?locale=en

Moura-Ramos, M., & Canavarro, M. C. (2007). Adaptação parental ao nascimento de um filho: comparação da reactividade emocional e psicossintomatologia entre pais e mães nos primeiros días após o parto e oito meses após o parto. Análise Psicológica, (25)3, 399-413. Acedido em http://repositorio.ispa.pt/handle/10400.12/109

Pereira, M. A. R. A. (2009). O primeiro contacto pai-bebé: um olhar sobre a prática (Dissertação de Mestrado, Universidade do Porto). Acedido em https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/20151

Relvas, A. P. (2004). O ciclo vital da família, perspectiva sistémica. Porto: Editora Afrontamento.




DOI: https://doi.org/10.17060/ijodaep.2017.n1.v3.1019 Statistics: Resumen : 651 views. PDF (Português (Portugal)) : 91 views.  

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2017 Carla Cruz, Paula Nelas, Emília Coutinho, Cláudia Chaves, Odete Amaral

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

"International Journal of Developmental and Educational Psychology."

Revista Infad de Psicología.

ISSN digital: 2603-5987

ISSN impreso: 0214-9877